COMANDO NACIONAL DEFINE ESTRATÉGIAS DE LUTA PARA 2020

34


Em reunião realizada no último dia 19/2, em São Paulo, o Comando Nacional dos Bancários debateu, entre outros temas, as mobilizações contra a MP 905 e as reestruturações do BB e Caixa, os resultados parciais do 3º Censo da Diversidade, além de traçar um calendário de lutas para 2020.


A coordenação do Comando apresentou um relato sobre as audiências públicas sobre a MP 905, realizadas entre os dias 11 e 13 de fevereiro, nas quais participaram representantes dos trabalhadores, empregadores e outros setores convidados. A avaliação do Comando apontou os riscos iminentes aos direitos dos trabalhadores contidos na MP e, dada a característica conservadora a maioria dos parlamentares que compõem a Comissão Especial Mista que avalia a MP, o Comando indica aguardar a publicação do relatório da Comissão, após análise, tomar as medidas necessárias para evitar ataques aos direitos da classe trabalhadora, em especial, da categoria bancária.


Com relação às reestruturações do BB e da Caixa, o Comando Nacional destacou que, a partir do ajuizamento de ação, foi obtida medida cautelar em favor da Contraf-CUT para dilação dos prazos para efeitos da reestruturação da Caixa. A decisão obriga ainda a direção da Caixa a reestabelecer os canais de negociação com o movimento sindical antes de impor medidas unilaterais, como prevê o Acordo Coletivo dos empregados. Quanto às ofensivas da direção do BB contra seus funcionários, através do Programa Performa: Desempenho e Reconhecimento, impondo redução na remuneração, na PLR e impactando negativamente na carreira, as entidades vão reforçar as mobilizações e realizar novos dias nacionais de luta. O Comando destacou ainda que, no dia 18 de março, Dia Nacional de Luta das Centrais Sindicais em Defesa das Empresas e dos Serviços Públicos, os trabalhadores dos bancos públicos serão convidados a participar das atividades em seus estados.


Quanto a Campanha Nacional 2020, o Comando contextualizou o cenário político e econômico atual, extremamente prejudicial aos trabalhadores e as entidades sindicais, e elaborou um calendário de luta para esse ano.