Comando Nacional entrega pauta à Fenaban

13

O Comando Nacional dos Bancários entregou na última quarta-feira, dia 13/8, a pauta geral de reivindicações da campanha salarial de 2008 à Fenaban. Além disso, os bancários entregaram ainda as pautas específicas do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal às respectivas direções dos bancos.


“Estamos iniciando mais uma Campanha Salarial Nacional e esperamos que os bancos, que passam por um momento excepcional, como refletem os seus balanços, atendam as expectativas dos bancários, que é o principal ativo que o sistema financeiro possui”, disse Vagner Freitas, presidente da Contraf/CUT e coordenador do Comando Nacional, ao entregar a pauta de reivindicações ao presidente da Fenaban, Fábio Barbosa.


Vagner ressaltou a representatividade do Comando Nacional, a unidade da categoria na mesa única e a importância do processo de negociação direta.

Após a entrega da pauta geral à Fenaban, o Comando Nacional apresentou as listas de reivindicações específicas aos representantes do Banco do Brasil e da Caixa, que também estavam presentes na mesa única. “Essas minutas são específicas e complementares à pauta geral da categoria”, frisou Vagner Freitas. “E este ano queremos que as negociações específicas com o BB e com a Caixa se desenvolvam simultaneamente à negociação da pauta geral. Isso é fundamental”, disse ele.


A pauta específica dos funcionários do BNB será entregue no próximo dia 22/8 ao presidente do banco, Roberto Smith.

PRINCIPAIS REIVINDICAÇÕES DA CAMPANHA NACIONAL 2008


• Aumento real – 13,23% de reajuste.


• PCS para todos.


• Fim das metas abusivas.


• Pisos salariais – Aumento progressivo, em três anos, até atingir o piso do Dieese.


• Aumento da PLR – Três salários mais R$ 3.500,00 para todos, sem limitador e sem teto.


• Vale-refeição – R$ 17,50.


• Cesta-alimentação – R$ 415,00.


• Auxílio-Creche – Deve ter o mesmo valor do salário-mínimo (R$ 415,00).


• Novas conquistas – Auxílio-educação e a criação de um plano de previdência complementar fechado, com gestão compartilhada.


• Mais segurança nas agências.


• Eixos políticos – Defesa dos bancos públicos; ampliação do crédito produtivo para investimentos; redução da taxa de juros e regulamentação do artigo 192 da Constituição Federal.