COMANDO NACIONAL MANDA OFÍCIO AO BB E CAIXA PEDINDO FIM DAS AGLOMERAÇÕES NAS AGÊNCIAS

17


O Comando Nacional dos Bancários enviou dia 20/3 um ofício ao Banco do Brasil e à Caixa Econômica Federal pedindo providências para acabar com as aglomerações de clientes nas agências.


Entre os dias 17 a 20/3, após o anúncio feito pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de medidas de crédito à pessoa física e jurídica; bem como de pagamento de R$ 200,00 aos trabalhadores informais e autônomos, houve uma corrida a muitas agências do BB e Caixa.


“Trata-se de um anúncio feito de forma irresponsável, sem medir as consequências. O governo tem que prover renda pra quem precisa por causa da epidemia, a proposta deles sequer atende a todos, e qualquer medida tem que ser feita de forma planejada, do contrário, gera o caos que estamos vendo nas agências”, afirmou a presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira. “Por isso estamos pedindo que seja limitado o atendimento nessas agências apenas para casos de extrema necessidade”, completou. “A corrida aos supermercados; farmácias, se dá por falta de medidas efetivas desse governo”, finalizou.


No ofício enviado ao BB e Caixa, a Contraf-CUT chama a atenção para o grande aumento de usuários que procuram as agências dos dois bancos devido às medidas anunciadas pelo governo, que impactam a rotina de trabalho nestes bancos e solicita que sejam emitidos comunicados por parte destas instituições, em conjunto com o Governo Federal, no sentido de esclarecer o público que tais medidas ainda não estão em vigor. Solicita também que sejam suspensos os atendimentos nas agências do BB e Caixa até a normalização e regulamentação da concessão das medidas citadas, limitando o atendimento presencial às situações emergenciais.


Por fim, o ofício pede que seja discutido com o Comando Nacional a operacionalização de tais medidas de modo que seja seguro a todos. A Contraf-CUT também já informou ao Ministério da Saúde sobre as condições de atendimento nesses bancos em decorrência do anúncio feito pelo governo.