Comando tem a primeira negociação com o BNB, dentro da Campanha 2015

9


Nos dias 10 e 11/9, a Contraf-CUT, assessorada pela Comissão Nacional dos Funcionários do BNB, se reuniu com diretores do Banco, na primeira negociação específica, visando o acordo 2015/2016. Foram apresentadas à representação do BNB, as cláusulas sobre isonomia, incorporação de função, ponto eletrônico, equiparação de função, reintegração dos demitidos e terceirização; e as cláusulas de saúde e previdência, especificamente sobre custeios e sustentabilidade da Camed e Capef.


Isonomia

Os representantes dos trabalhadores enfatizaram que o tratamento isonômico é importante e essa luta vem desde 2003, com avanços, mas queremos mais, como a licença prêmio para todos e o anuênio para os novos. E que as ausências abonadas (abono assiduidade) sejam colocadas na CIN Pessoal, bem como o empréstimo de férias. O Banco vai analisar a solicitação. A Contraf-CUT, por sua vez, ressaltou que vai continuar insistindo nessas reivindicações.


Ponto eletrônico

A Contraf-CUT cobrou também uma posição do Banco quanto à instalação definitiva do ponto eletrônico, para controle e garantia de jornada. A direção do Banco informou que até o final deste ano todas as unidades estarão definitivamente com o ponto eletrônico instalado. Atualmente, em algumas unidades estão em teste o ponto que é feito na própria estação de trabalho, a partir do login do funcionário. A Fetrafi/NE reafirmou a conquista do ponto eletrônico, para garantir o cumprimento da jornada de 6 horas dos bancários. Esse tema voltará a ser debatido na próxima negociação com o BNB no dia 17/9.


Reintegração dos demitidos

A representação dos trabalhadores lembrou que o desligamento de cerca de 70 funcionários na “Era Byron” foi traumático e sua reintegração ao corpo funcional do banco teria impacto mínimo, além disso, pode ser feito em Acordo Coletivo. A direção do BNB enfatizou que os desligamentos foram com ato jurídico perfeito, sem justa causa. O assunto será analisado pelo Banco.


Terceirização

Os representantes dos bancários reivindicam a contratação dos concursados, compromisso assumido pelo BNB no Acordo Coletivo de 2014, de ampliar em 1.300 novos bancários. O Banco reconhece que não houve esse acréscimo de novas contratações. Informou que hoje o BNB tem 7.330 funcionários e o teto solicitado ao DEST é de 8.450, e ainda depende de uma portaria autorizando. Informou ainda, que serão abertas 28 novas agências no Nordeste. Por sua vez, a Contraf-CUT reivindicou clausular a contratação do pessoal que falta, para completar a pedida do Acordo Coletivo do ano passado, ou seja, os 1.300 novos bancários.


Previdência

Os representantes dos trabalhadores reivindicaram aporte de recursos por parte do Banco para os Planos BD e CVI, e pedem o equilíbrio atuarial da Capef.  Com o aporte de recursos por parte do BNB, os bancários esperam, principalmente, redução das contribuições dos participantes. Sobre a cláusula de democratização da Capef, reivindicam paridade na gestão, ou seja, que um representante dos trabalhadores tenha assento no Conselho da Capef, a exemplo dos planos de previdência de outros bancos públicos.


Saúde

Sobre saúde, a principal reivindicação dos trabalhadores é o fortalecimento da Camed, com a contribuição do patrocinador duas vezes maior que a do funcionário. Segundo os assistidos é preciso melhorar o custeio da Camed, via maior contribuição do Banco. Com isso diminuiria a participação dos assistidos. Outra proposta é de melhoria na gestão da caixa de assistência, com participação dos trabalhadores nas decisões.


Estiveram presentes nessa negociação com o BNB, representando os trabalhadores, o diretor de Políticas Sindicais da Contraf-CUT, Gustavo Tabatinga; o presidente da Fetrafi/NE, Carlos Eduardo Bezerra; o coordenador da CNFBNB, Tomaz de Aquino e dirigentes dos Sindicatos do Ceará, Piauí, Alagoas, Pernambuco e Bahia, que compõe a base da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB, e representando os aposentados, Roberto Figueiredo.


A segunda negociação específica com o BNB será no dia 17/9, em São Paulo, sobre os temas Igualdade de Oportunidades e Remuneração.