Começam esta semana as primeiras negociações com Fenaban

10


O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, após realizar a entrega da pauta de reivindicações à Fenaban no último dia 11/8, em São Paulo, confirmou a realização da primeira rodada de negociação da Campanha Nacional da categoria para os dias 19 e 20/8, abordando o tema saúde e condições de trabalho.


“Tivemos muitas conquistas nos últimos dez anos, mas queremos mais avanços no aumento real, no piso salarial, na saúde e condições de trabalho, no emprego e na segurança. Os lucros e a rentabilidade recordes dos bancos permitem que eles atendam as expectativas da categoria”, disse Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional.


“Nós estamos muito preocupados com o alto índice de adoecimentos de bancários, em razão da pressão por metas abusivas e do assédio moral, e também com a preservação do emprego. Precisamos estar mobilizados e unidos neste momento para que possamos avançar nas conquistas e agregar melhores condições de trabalho e saúde para a categoria”, avalia o presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará, Carlos Eduardo Bezerra.


Preservação do emprego – De acordo com estudo do Dieese, na economia como um todo, a diferença salarial entre os trabalhadores contratados e os desligados é de 7%, enquanto nos bancos chega a 46%. Somados o fechamento de vagas e a rotatividade, são 45 mil pais e mães de família que perdem o emprego no sistema financeiro a cada ano. É preciso que os bancários tenham segurança quanto ao futuro. Os bancários também querem incluir na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) os avanços alcançados no projeto-piloto de segurança bancária implementado em Recife, Olinda e Jaboatão.


Principais reivindicações do tema Saúde e Condições deTrabalho


• Fim das metas abusivas – A política de metas e todos os mecanismos de pressão e avaliação de resultados têm se revelado como risco para a saúde dos trabalhadores. Logo, esse modelo deve ser discutido e negociado com os trabalhadores. Mais: o bancário que desempenha a função de caixa não pode ser submetido a metas. É preciso redimensionar as metas quando a equipe for reduzida em caso de férias, licenças etc. A meta deve levar em consideração o número de empregados envolvidos no processo para a sua execução.


• Combate ao assédio moral – O instrumento previsto na convenção coletiva precisa ser aprimorado e, para tanto, uma das reivindicações é a garantia à vítima de assédio moral a mudança de local de trabalho, sendo o banco obrigado a providenciar de imediato tal pedido. Outra forma de aprimorar o instrumento já convencionado seria o envio da resposta por escrito ao sindicato, quando uma denúncia transitar pelos canais do instrumento.


• Isonomia para afastados – É preciso garantir que bancários afastados por motivo de doença tenham os mesmos direitos dos trabalhadores da ativa, como vale transporte, vale refeição, vale-alimentação e PLR.