Comissão de Empresa pressiona banco a instalar as mesas temáticas

26

A Campanha Salarial 2008 foi marcada por uma grande participação dos funcionários do Banco do Brasil na greve. Durante todo o período, o funcionalismo foi combativo. Lutou pela defesa de seus direitos, bem como por pontos primordiais: melhores condições de trabalho, PCS e lateralidade. O resultado da Campanha manteve conquistas importantes do ponto de vista econômico e encaminhamentos de implantação do Plano Odontológico, isonomia e mesas temáticas.


Em contrapartida a 2007, a greve desse ano não foi breve. A justificativa à extensão da mobilização no Estado se encontra no protesto à falta de credibilidade do BB na solução dos pontos citados, através das mesas temáticas de remuneração (PCS, lateralidade e isonomia), terceirização e assédio moral.


O Sindicato dos Bancários do Ceará (SEEB/CE) está atuando, por meio da Comissão de Empresa (CEE/BB), e exigindo a instalação da mesa temática de remuneração como prioritária no processo de negociação permanente. A Comissão, juntamente com a Contraf/CUT, realizará, no início de dezembro, reunião ampliada com os sindicatos para definir as ações necessárias de avanços nas negociações.


“É imprescindível que os funcionários do BB compreendam que precisamos estar mobilizados o ano todo para conquistarmos melhores condições de trabalho”, destacou o representante da CEE/BB – FETEC/NE e diretor do SEEB/CE, Carlos Eduardo.


DESCONTO DOS DIAS DE GREVE – O Banco ainda não aceitou negociação referente ao dia de greve (23/10) realizado pelos bancários do Ceará e funcionários do BESC/BB de Florianópolis. O Sindicato dos Bancários ajuizou Ação Civil Pública contra a prática anti-sindical do Banco e já foi marcada audiência na Justiça do Trabalho para o dia 25/11. A ação cobra requalificação da falta “não abonada, não autorizada” (código 308) e compensação do dia 23/10 da mesma forma que os outros sindicatos no Brasil estão realizando.


“Nós fizemos 16 dias de greve no BB. Em outras bases, ela se estendeu a 23 dias. Não queremos ser tratados de forma diferenciada. A falta (código 308), nas normas do BB, tem reflexos sobre aspecto disciplinar com o interesse claro do Banco de retaliar os grevistas. Queremos uma qualificação de greve, pois a decisão foi tomada em assembléia da categoria e também é um direito constitucional fundamental do trabalhador”, defendeu a diretora Ana Ximenes.

DENÚNCIAS – Os diretores do SEEB/CE receberam denúncias de irregularidades em comissionamentos do BB. As denúncias relatam nomeações à margem dos 20 classificados no sistema TAO. O Sindicato está apurando os casos junto à GEPES (Gestão de Pessoas/CE) e orienta os funcionários que tenham informações sobre estas irregularidades a repassarem-nas aos diretores do Sindicato, bem como à Ouvidoria Interna do Banco.


“É um absurdo uma política de favorecimentos e privilégios fora das normas do Banco. O SEEB/CE está apurando, constatando a veracidade dos fatos e irá denunciar aos órgãos competentes”, avisou o diretor Bosco Mota.