Comitê de Investimentos da Funcef discute política de investimentos para o quinquênio 2014/2018

18


O Comitê de Assessoramento Técnico de Investimentos da Funcef debateu na quarta-feira, dia 13/11, em Brasília, a política de investimentos para o quinquênio 2014/2018. A recomendação, feita em parecer, é para que seja dada atenção especial à gestão de liquidez. As discussões se deram a partir de apresentação da Diretoria de Investimentos da Fundação.


Para o coordenador do Comitê de Investimentos, Marcos Saraiva, o momento é de esforço concentrado face às adversidades geradas pela prolongada crise econômica global. Ele acredita ser grande o desafio de se contornar os impactos negativos nos investimentos estruturados pelos fundos de pensão, sobretudo em razão da volatilidade das ações em bolsa.


Também foi definido na reunião, o relatório das atividades para o ano de 2014. A próxima reunião desse comitê deverá ser realizada em 24 de abril, quando Marcos Saraiva, diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará e atual coordenador do Comitê, dará posse ao seu substituto, a ser indicado pela patrocinadora, a Caixa.


Os comitês paritários de assessoramento integram processo de luta do movimento dos empregados da Caixa para alargar os espaços de participação na Funcef. Existem quatro desses comitês: Benefícios, Ética, Investimentos e Qualidades das Informações Contábeis e de Auditoria, cujos primeiros integrantes tomaram posse em 24 de setembro de 2008. Eles representam quatro novos canais por onde os associados poderão acompanhar a gestão patrimonial da Fundação.


No comitê de Investimentos, a exemplo do que ocorrem com os outros três, a composição é paritária: 50% dos membros – titulares e suplentes – indicados pelos conselheiros eleitos e 50% pela Caixa e pela Funcef. O de Investimentos, por exemplo, é composto de 12 membros. Não há remuneração para os seus integrantes.