Congresso aprova luta pelo fortalecimento do Banco, Capef e Camed, por revisão do PCR e isonomia e define papel da Comissão Nacional

20

  

Os 126 funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), reunidos nos dias 9 e 10/7, na Ilha de Itamaracá (PE), durante o XVII Congresso Nacional dos Funcionários, aprovaram a pauta de reivindicações específicas 2011/2012. Dentre elas, destacam-se: fortalecimento do BNB como banco de desenvolvimento regional; ampliação da luta pela isonomia; combate à terceirização; revisão do PCR; licença-prêmio para todos; melhorias para a Capef e Camed, entre outras.


A abertura do Congresso aconteceu no sábado, 9/7, com a análise de conjuntura feita pelo supervisor técnico do Dieese/CE, Reginaldo Aguiar, que ressaltou o crescimento econômico brasileiro num ambiente democrático. Ele destacou que no primeiro semestre, as negociações coletivas foram positivas e no primeiro trimestre do ano, o setor financeiro apresentou crescimento de 6,4%, o maior entre os setores da economia brasileira.


Na oportunidade, foi feita explanação pelo Secretário de Organização da Contraf-CUT, Miguel Pereira, sobre o papel e formatação da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB, que passa a ter caráter eminentemente sindical, sem a participação de associações, conforme modelo adotado pela Contraf-CUT para as comissões de funcionários do BB, CEF e Basa.


Em seguida, os bancários foram divididos em grupos e discutiram temas relacionados à defesa dos bancos públicos, saúde e previdência e remuneração e jornada, seguindo orientação da Contraf-CUT para todos os congressos de Bancos Federais.


Do debate dos grupos surgiram deliberações importantes com referência ao fortalecimento do BNB, ampliação da luta pela isonomia, convocação dos concursados, valorização dos cargos do PCR, instalação urgente do ponto eletrônico, combate ao assédio moral, revisão dos benefícios da Capef e do Plano de Custeio da Camed, com maior participação do Banco e fim do voto de minerva nas duas caixas.


De acordo com o Secretário de Organização da Contraf-CUT, Miguel Pereira, que coordenou os trabalhos do Congresso, o encontro foi muito positivo e participativo. “Nós tivemos debates ricos nos trabalhos de grupo e no plenário, com bastante participação de todos. A partir daí, foram tiradas deliberações importantes abordando desde o local de trabalho até preocupações com a defesa do BNB como banco público. O Congresso, do ponto de vista da pauta, também cumpriu o seu objetivo e incorporou à pauta aprovada no ano passado novas e importantes reivindicações a partir da participação de todos os delegados que compareceram e contribuíram”, avaliou.

CONFIRA ALGUMAS DELIBERAÇÕES DO XVII CONGRESSO NACIONAL

DOS FUNCIONÁRIOS DO BNB

BANCOS PÚBLICOS

• Campanha nacional em defesa do BNB como banco público de desenvolvimento regional;

• Posição a favor da Portaria 26, que trata da eleição de representante dos trabalhadores no Conselho de Administração do Banco e participação no processo somente se o governo concordar com mudanças na lei, do ponto de vista sindical;

• Ampliar a luta pela isonomia entre todos os funcionários;

• Luta pela isonomia do BNB com os demais bancos públicos, observando o caráter de desenvolvimento do Banco;

• Combate à terceirização;

• Cobrar a abertura de novas agências e convocação dos concursados;

REMUNERAÇÃO E JORNADA

• Revisão do PCR, com valorização dos cargos e instituição de um calendário de negociação com o Banco;

• Implantação da licença-prêmio para todos que não desfrutam do benefício;

• Instalação de ponto eletrônico que coiba a extrapolação de jornada;

• Cobrar mais transparências nos processos de concorrência interna e transferências.

• Solução para todos os passivos trabalhistas, mediante acordos que atendam às expectativas dos beneficiários de ações judiciais.

SAÚDE E PREVIDÊNCIA
• Aporte de recursos à Capef de forma a viabilizar a revisão dos benefícios do Plano BD e fim do voto de qualidade na gestão da caixa;

• Aumento da rede de credenciados da Camed, revisão do Plano de Custeio com maior participação financeira do Banco e implantação de programas de atividades laborais em todas as unidades do BNB;

• Combate ao assédio moral, com assinatura formal do aditivo da Convenção Coletiva Nacional sobre o assunto;

• Reabertura de todas as linhas de crédito do Banco para o acesso do funcionalismo.