Contraf-CUT aprofunda debate com a Caixa sobre aperfeiçoamento do Sipon

13

A Contraf-CUT, federações e sindicatos dos bancários participaram na terça-feira (3/4), em Brasília, de nova reunião do Grupo de Trabalho paritário com a Caixa Econômica Federal, que se dedica a analisar o Sistema de Ponto Eletrônico (Sipon), as horas extras e a jornada de trabalho. O encontro aprofundou os debates sobre o aperfeiçoamento do Sipon, ferramenta criada para registrar o horário de entrada e saída dos empregados de seus locais de trabalho, de acordo com o que é estabelecido pela legislação.


Inicialmente, os representantes do banco informaram que os testes para a implantação do login único já foram concluídos, restando agora apenas os encaminhamentos finais para que esse sistema passe a funcionar em termos definitivos. Em seguida, houve o debate sobre a necessidade de o Sipon ser utilizado exclusivamente como sistema de controle da jornada e não para a gestão de horas extras, culminando em horas negativas. Ocorre que, quando o empregado não possui saldo de horas extras e tem necessidade de faltar ou ausentar-se por algum período durante a jornada, a empresa costuma registrar essas horas como negativas, obrigando os bancários a pagá-las por meio de horas extraordinárias.


Há, inclusive, denúncias de que existem gestores que utilizam o artifício das horas negativas sempre em favor da Caixa, dispensando o empregado em períodos de poucas operações e cobrando a compensação em outros momentos de maior movimento, o que prejudica o trabalhador.


Uma constatação: sob qualquer ângulo de análise, o problema das horas negativas vem provocando insegurança no Sipon, devendo essa irregularidade ser abolida da cultura do banco. Uma vez que não há previsão para essa prática na Convenção Coletiva de Trabalho ou no acordo específico com a Caixa. O tema voltará a ser debatido numa próxima reunião, devendo ser realizada até o dia 15/5. Depois de cobrada pela Contraf-CUT, a Caixa ficou de analisar novos formatos para o Sipon.