Contraf-CUT avalia condições de segurança nos bancos

52

Em reunião do Coletivo de Segurança Bancária da Contraf-CUT avaliou-se que a segurança dos bancos ainda continua precária, principalmente no que diz respeito à proteção a vida dos trabalhadores e trabalhadoras, vigilantes, clientes e usuários. Os banqueiros investem muito em segurança para garantir o seu patrimônio. Já a vida tem ficado em último lugar.


Várias iniciativas foram definidas, como a construção de uma estatística nacional que aponte mensalmente os ataques a bancos. Outra proposta aprovada foi a criação de um grupo de trabalho junto às secretarias estaduais de Segurança Pública, a exemplo do Rio Grande do Sul, com o objetivo de discutir políticas públicas e ações integradas com os bancos e trabalhadores para prevenir e melhorar a segurança nas instituições financeiras.


A Contraf também deve encaminhar uma pesquisa, a ser feita pelos sindicatos, até o final de abril, a fim de verificar as condições de segurança das agências e postos de trabalho. Com os dados apurados, a Confederação vai intensificar as lutas junto aos bancos e à sociedade para cobrar mais segurança. A pesquisa foi uma das deliberações da última conferência nacional dos trabalhadores do ramo financeiro.

Bancos multados – Na última reunião da CCASP (Comissão Consultiva para Assuntos de Segurança Privada), vários bancos tiveram diversas agências interditadas e outras tantas multadas por irregularidades onde a vida estava em constante risco. A exemplo do Banco do Brasil, do Bradesco; Santander; HSBC; Unibanco e Itaú, que sofreram aplicação de pena pecuniária em várias regiões do País que variaram de 10 a 20 mil UFIRS .