Contraf-CUT consegue criar GT da Terceirização com a Fenacrefi

8


A segunda rodada de negociação da Contraf-CUT, federações e sindicatos com a Federação Nacional de Instituições de Crédito, Financiamento e Investimentos (Fenacrefi), dia 28/7, em São Paulo, apresentou avanços importantes. Os representantes dos trabalhadores reivindicaram e conseguiram firmar um acordo com a Fenacrefi para criação do Grupo de Trabalho (GT) da Terceirização.


Mas não foi uma discussão fácil. A batalha travada no Congresso Nacional, para barrar o projeto de lei que precariza as relações de trabalho, também está presente nas mesas de negociações com o setor patronal. A Contraf-CUT estima em mais de 500 mil os trabalhadores que prestam serviços para as financeiras em todo o Brasil. Mas na base da Fenacrefi, há apenas 10 mil. Números que refletem a precariedade enfrentada pelos trabalhadores.


“Existe uma grande preocupação por parte dos trabalhadores, no mundo todo, com a automação, a terceirização e a reorganização do trabalho. No Brasil, os trabalhadores do crédito estão no comércio, no setor de TI. Também exercem funções de bancários. Mas com a terceirização, não têm direito a benefícios básicos, como vales alimentação, refeição e plano se saúde”, explicou Roberto von der Osten, presidente da Contraf-CUT.


A questão dos correspondentes bancários também foi debatida na segunda rodada de negociação.


A data da primeira reunião sobre a formação do GT da Terceirização será definida nos próximos dias e a nova rodada de negociação da Campanha Nacional está marcada para 13/8, com a discussão sobre PLR.


Principais reivindicações da Campanha Nacional 2015


• Reajuste de 14,2%;


• PLR de R$ 6.337,02;


• Novo modelo de PLR;


• Abrangência do acordo para todo o País;


• Unificação da data-base com bancários (setembro);


• Fim das metas abusivas;


• Combate ao assédio moral;


• Combate à violência organizacional;


• Combate à terceirização;


• Incorporação dos promotores de crédito.