Contraf-CUT critica uso do banco para injetar R$ 20 bilhões no consumo

28

Desde o início do ano, o governo federal adotou um conjunto de medidas para conter o crédito e reduzir o crescimento da economia brasileira, com o apoio do mercado financeiro e da grande mídia. Para a Contraf-CUT, a estagnação verificada no PIB do terceiro trimestre comprovou que essas medidas foram totalmente equivocadas.


Para retomar o caminho do crescimento, o governo está usando o Banco do Brasil para lançar uma nova modalidade de crédito, que destinará R$ 20 bilhões para cerca de 20 milhões de clientes do banco desde o dia 15/12. O dinheiro poderá ser usado por meio de cartões emitidos pelo BB. Os clientes poderão usar cartão de crédito e débito para adquirir bens de consumo em até 48 prestações.


“A economia vive um momento preocupante de estagnação. O novo produto de crédito do BB é usado de forma estratégica para salvar o governo das medidas precipitadas ao injetar crédito no consumo, enquanto faltam políticas para fomentar a produção, a geração de empregos e a distribuição de renda”, avalia Marcel Barros, secretário-geral da Contraf-CUT e funcionário do BB. “O BB não pode deixar de cumprir o seu papel de banco público, que é o de promover o desenvolvimento econômico e social do País, de forma responsável e sustentável”, defende o dirigente sindical.

Juros elevados – Além de os cartões terem as funções de crédito e débito, o novo produto deixará à disposição dos clientes a função de crediário. A ideia é que a terceira opção seja oferecida pelos funcionários do comércio na hora do pagamento. Os juros variam de 2,17% ao mês (no caso de um empréstimo de seis meses) a 2,83% ao mês. “Os juros de 2,17% ao mês representam, na verdade, 29,3% ao ano. O spread bancário é altíssimo, no mínimo de 12%. A pergunta que fazemos é: um funcionário do comércio terá condições de esclarecer aos clientes o real endividamento que os clientes estarão assumindo?”, indaga o dirigente sindical.

Diante dos altos níveis de inadimplência – os empréstimos vencidos em bancos podem chegar a R$ 330 bilhões até o fechamento do ano, segundo notícia veiculada nesta sexta-feira pelo jornal Valor Econômico – o BB age com irresponsabilidade. “O banco está incentivando indiscriminadamente o consumo, podendo levar clientes a endividamentos excessivos”, alerta Marcel.


Dos 80 milhões de cartões que compõem a base do banco, 20 milhões terão acesso à função. Em um primeiro momento, só terão acesso à nova modalidade de crédito os clientes com a bandeira Visa. Ainda neste final de ano dois segmentos de consumo, linha branca e turismo, terão destaque na estratégia do BB, embora o cliente tenha liberdade de escolher em qual produto aplicar.

Cadê o crédito para a produção? – A meta do BB é expandir em 21% o crédito às pessoas físicas neste ano. Alta era de 20% até o terceiro trimestre. “O BB, na ânsia de ofertar crédito, investe apenas no aumento do consumo. Enquanto isso, o setor produtivo continua às mínguas. O BB deve assumir seu papel de banco público e tomar medidas efetivas para promover o crescimento do País de forma efetiva”, conclui Marcel.