Contraf-CUT quer o apoio de Lula na luta pelo emprego

57

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo do dia 16/9, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi informado em Madri, na Espanha, que o Santander fechou a compra do ABN/Amro, o banco holandês que, no Brasil, é dono do Real. Entretanto, não há nenhuma novidade na notícia, já que a própria Contraf-CUT reuniu-se com o presidente Lula para informar sobre a venda do ABN ao Santander.


No dia 1º/9, diretores da Confederação estiveram no 3º Congresso do Partido dos Trabalhadores (PT) e entregaram nas mãos do presidente Lula um dossiê sobre a venda do ABN Amro. O presidente (e a seu assessor, Gilberto Carvalho) foi informado de que os 54 mil bancários do Real e do Santander estão ameaçados de demissão no Brasil. O Santander (através do consórcio de bancos) anunciou 19 mil demissões no mundo.


“O presidente Lula precisa entrar neste debate e defender o elo mais fraco desta mega operação bancária, que somos nós, trabalhadores do Brasil. Pois, na Europa já existem acordos e legislações de proteção do emprego frente a fusões e aquisições”, afirma Deise Recoaro, diretora da Contraf-CUT.


Entre os dias 24 e 28 de setembro a Contraf-CUT e os sindicatos filiados vão até Brasília para uma série de audiências com autoridades dos três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) com o objetivo de pedir apoio do poder público nesta luta dos bancários e a adesão do presidente Lula é fundamental. São 54 mil empregos em jogo.

Moção de Apoio – A Assembléia Legislativa do Ceará aprovou na última semana uma moção de apoio em defesa do emprego dos bancários do ABN/Real. A moção foi um requerimento do deputado estadual Nelson Martins (PT/CE), a pedido do Sindicato dos Bancários.