Contraf-CUT retoma negociação permanente e discute a norma para compensar dias parados

30

A retomada das negociações permanentes entre a Contraf/CUT, federações e sindicatos com a Caixa Econômica Federal aconteceu na sexta-feira, dia 11/11, em Brasília. Um dos pontos principais foi a proposta já encaminhada pela Confederação que cobra a revogação da CI 0009/2011, a qual vincula a compensação dos dias parados durante a greve nacional dos bancários ao sistema de metas do banco.


“A redação da cláusula da Convenção Coletiva que estabelece a compensação prevê apenas a realização de até duas horas extras por dia, de segunda a sexta-feira, exceto feriados, até o dia 15 de dezembro, sem qualquer desconto”, afirma Plínio Pavão, secretário de Saúde do Trabalhador da Contraf-CUT.


O dirigente sindical avalia que a norma da Caixa pode trazer impactos negativos para a saúde do trabalhador. “Ao incluir a compensação das horas no sistema de metas, a Caixa sinaliza para que os gestores pressionem os empregados, possibilitando a prática de assédio moral nas unidades, o que é inaceitável”.


A Contraf-CUT enviou na terça-feira, dia 8/11 uma correspondência ao presidente da Caixa, Jorge Hereda, solicitando que o banco honre os termos firmados na convenção coletiva dos bancários.


Outros destaques da pauta da reunião foram as questões relativas à Comissão de Conciliação Voluntária (CCV) para aposentados, a CCV específica para a 7ª e 8ª horas e o Saúde Caixa.

“É importante a retomada do processo de negociação permanente, onde discutimos uma série de reivindicações dos empregados. Para tanto, é fundamental que todos se mantenham informados, acompanhando os debates e participando das atividades de mobilização dos sindicatos”, ressalta Plínio.