CONTRAF E SINDICATO PARTICIPAM DE REUNIÃO SOBRE A CAMED RELATIVA À VENDA DE SEGUROS E CGPAR 23

34


A Contraf-CUT e o Sindicato dos Bancários do Ceará participaram na sexta-feira, 21/2, em Fortaleza, de uma reunião de esclarecimentos a respeito da Caixa de Assistência (Camed) dos Funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (BNB). Na pauta, a Camed Corretora e a situação da caixa junto à CGPAR 23.


Os representantes dos funcionários questionaram o Banco a respeito da venda do balcão de seguros e seu impacto sobre a Camed Corretora. O superintendente de Produtos e Serviços Bancários, João Robério, esclareceu que a Camed Corretora não corre nenhum risco na transação. Ele explicou que na situação atual, o BNB só tem o ganho da corretagem, já que não possui seguradora e trabalha com um pool de empresas. A partir de agora, o Banco assinou parceria com uma só empresa, que terá exclusividade de 20 anos, e passará a receber o referente à corretagem mais 50% dos resultados das transações. Segundo ele, isso refletirá positivamente tanto para o Banco quanto para a Camed Saúde que continuará recebendo aportes maiores da Camed Corretora.


Com relação ao enquadramento da Camed às exigências da CGPAR 23, o Banco reafirmou que a caixa de assistência cumpre todas as exigências previstas em lei, como o percentual de patrocínio para custeio da Camed pelo Banco (4,04%), quando poderia comprometer até 8% da folha salarial.


Participaram da reunião o secretário geral da Contraf-CUT, Gustavo Tabatinga, o coordenador da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB (CNFBNB) e diretor jurídico do SEEB/CE, Tomaz de Aquino, e os também diretores do Sindicato dos Bancários do Ceará, Océlio Silveira e Cláudio Rocha. Pelo banco, estiveram presentes, além do superintendente João Robério, o superintendente de Desenvolvimento Humano, Marcos Marinelli, o superintendente de Logística, Bruno Ricardo Pena de Sousa, além do presidente da Camed, Ocione Mendonça.


“A partir dos primeiros comentários que surgiram sobre possíveis negociações envolvendo a área de seguros do Banco, nós procuramos as áreas responsáveis da Instituição para obter esclarecimentos e ter garantias que nenhuma repercussão negativa haveria para os funcionários. Fomos atendidos dentro de um prazo razoável pela Direção do Banco que nos deu a segurança de que nada foi ou será feito em detrimento dos interesses da Camed e do seu corpo de associados. De acordo com a relação civilizada e de boa fé que temos mantido ao longo dos últimos anos com a Superior Administração do Banco, nossa expectativa é de que todas as medidas adotadas em relação ao assunto

possam contribuir para o fortalecimento da Camed e do Banco”
Tomaz de Aquino, coordenador da CNFBNB e diretor do SEEB/CE