Contraf e Sindicatos cobram celeridade na implantação de propostas do Acordo

7


A cobrança de maior celeridade na implantação de propostas constantes no último Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) foi o tom da primeira reunião de negociação entre a direção do BNB e a Contraf/Sindicatos após assinatura do ACT, ocorrida no dia 19/11, em Fortaleza.


As entidades representativas dos funcionários questionaram o fato de várias medidas acordadas entre as partes, no âmbito do ACT firmado depois da greve, ainda não estarem em vigor. Destaque para a não realização de concorrência para efetivação de colegas que há anos são caixas executivos, mas continuam em regime de investidura, e para a não implantação das promoções para o quadro de gerente Pronaf.


Também foram cobradas enfaticamente a modificação na sistemática da concessão e elevação dos valores das diárias; a criação do Fundo de Assistência à Saúde (FAS); e a implantação de programa de recomposição de dívidas enquadradas na modalidade CDC. Discussão sobre controle de jornada de trabalho através do registro eletrônico do ponto consumiu boa parte do tempo da reunião, tamanha a importância do assunto.


Para todas essas demandas, a resposta da Direção do BNB ficou ainda restrita ao nível de compromisso. Exceto a reivindicação relativa ao ponto eletrônico, ainda em fase de testes e que o Banco já havia confirmado a conclusão somente até o final do próximo semestre. As demais, que as entidades entenderam como de efetivação com celeridade, tiveram sua implementação prometidas para dezembro próximo.


O Sindicato dos Bancários do Ceará não pode assegurar que tais promessas serão cumpridas, escaldado que está em razão de descumprimentos praticados por administrações anteriores. Por isso, continuará vigilante para denunciar e cobrar, até judicialmente, caso ocorram destratos unilaterais por parte da diretoria do BNB.