CONTRAF E SINDICATOS RETOMAM MESA DE NEGOCIAÇÃO COM A DIREÇÃO DO BNB

25


A Contraf-CUT, assessorada pela Comissão Nacional dos Funcionários do BNB (CNFBNB), retomou no último dia 21/10 a mesa de negociação permanente com a direção do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), na sede administrativa do Banco, no Passaré.


Na pauta, temas como concorrências, ponto eletrônico, PCR, processos administrativos e demitidos da era Byron. A reunião teve a participação de diretores dos sindicatos do Piauí, Pernambuco, Alagoas, Ceará (Pedro Moreira), Paraíba e Bahia, com a coordenação do secretário-geral da Contraf-CUT, Gustavo Tabatinga, e do coordenador da Comissão Nacional, Tomaz de Aquino. Pelo Banco, compareceram o diretor administrativo e de TI, Cláudio Freire, e os superintendentes de Desenvolvimento Humano, Marcos Marinelli, e Jurídico, Weltton Rodrigues.


A representação dos funcionários solicitou a redução da trava de dois anos relativa às concorrências. O Banco informou que o modelo 360° será modificado e que estará lançando em breve, gradativamente, um novo modelo de concorrência, o Promova-se, com concorrências permanentes e sem banco de sucessão.


Com relação aos processos disciplinares, a Contraf reforçou a observância de trâmite em que os funcionários envolvidos em processos administrativos tenham garantidos o acesso ao processo e o prazo para apresentar sua defesa. Isso porque existem denúncias de aplicação de penalidades a colegas sem qualquer justificativa e informação aos apenados.


A Contraf-CUT e a CNFBNB denunciaram ainda burlas no sistema do ponto eletrônico, onde alguns gestores vêm desabilitando o sistema, enquanto os funcionários continuam trabalhando fora do ponto. Os representantes dos funcionários solicitaram ainda relatórios do Banco para acompanhar os casos e garantir o devido cumprimento da jornada e o correto pagamento de horas extras.


Quanto ao Plano de Cargos e Remuneração (PCR), a Contraf-CUT solicitou ao diretor Cláudio Freire a reabertura de negociação para a revisão do Plano, a partir de proposta construída em grupo de trabalho paritário. Entretanto, o diretor informou que a conjuntura atual não recomenda qualquer iniciativa desse tipo e que o BNB não tem, no momento, qualquer perspectiva para tratar de assunto dessa natureza.


Por fim, ao ser questionado sobre a readmissão dos demitidos da era Byron Queiroz, o Banco informou que só há possibilidade de reintegração em caso de anistia geral a ser adotada por todas as estatais. Os sindicatos insistem que na possibilidade da construção de um acordo específico como foi feito na década de 90, mas não obtiveram qualquer receptividade sobre isso da parte do Banco.


De acordo com o secretário-geral da Contraf, Gustavo Tabatinga, a retomada das negociações foi positiva. “Nós apresentamos as principais demandas do funcionalismo que chegaram à Confederação e à Comissão Nacional e o Banco se comprometeu a encaminhar algumas delas. Devemos agendar uma nova reunião no final de novembro para darmos continuidade à negociação”, disse.



“As entidades que representam os trabalhadores do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) sempre defendem a negociação entre as partes como um dos pilares da luta sindical por garantia de direitos e melhoria nas condições de trabalho. Daí a importância dessa reunião com a direção do Banco para manter o canal de diálogo aberto, com seriedade e transparência”
Tomaz de Aquino, diretor do Sindicato e coordenador da CNFBNB