Contraf indica eixos para discussão nas conferências regionais

33

A Contraf/CUT concluiu na sexta-feira, 4/7, em São Paulo, o seminário preparatório da 10ª Conferência Nacional dos Bancários e da Campanha Nacional de 2008. Como resultado dos debates, enriquecidos com a participação do Dieese e de palestrantes externos, a diretoria da Contraf/CUT indica como subsídio para discussão nas conferências estaduais e regionais o que considera os principais eixos da Campanha Nacional 2008.


As orientações para as conferências estaduais e regionais são as seguintes:


– Reafirmar o princípio da negociação com mesa única e unidade do Comando Nacional, com a inclusão de todas as centrais sindicais (CUT, Conlutas, CTB, UGT, Nova Central, Intersindical e demais centrais).


– Estratégia de campanha: reafirmar a mesa única da Fenaban para os temais gerais, articulada com negociações específicas simultâneas nos bancos públicos. Todas as negociações são de responsabilidade do Comando Nacional, com o assessoramento das comissões de empresa.


Os bancários devem debater ainda: aumento real de salário; elevação dos pisos salariais, tendo como patamar o salário mínimo do Dieese; PCS em todos os bancos; melhorar as condições de trabalho, com foco nos seguintes eixos: jornada de 6 horas para todos; mais segurança nas agências; mais saúde para os bancários; fim das metas abusivas e do assédio moral; contratação de mais bancários; ampliação do tíquete-alimentação; auxílio-Creche/Babá igual ao salário mínimo.


Além dos debates sobre contratação da remuneração total; novo modelo de PLR; incluir nova conquista na Convenção Nacional, que deve ser discutida nas conferências estaduais e regionais e levada para a Conferência Nacional; igualdade de oportunidades; implementar a OLT (organização nos locais de trabalho); democratização dos bancos estatais e privados, com eleição de representantes dos bancários nos conselhos de administração; intensificar a campanha pela aprovação da Convenção 158 da OIT; retomar já, com a Fenaban, as negociações das questões pendentes da campanha do ano passado: segurança bancária, saúde e assédio moral; realização dos congressos dos bancos em março de 2009, com número maior de delegados, para aprofundar a discussão das questões específicas e estabelecer a pauta de negociação do ano todo e a Conferência Nacional dos Bancários em julho de 2009, para discutir os temas gerais da categoria.


Após a Campanha Salarial 2008, a Contraf/CUT buscará entidades representativas da sociedade para discutir a necessidade de haver um controle social do sistema financeiro e o papel dos bancos, tanto públicos como privados, do Banco Central e do Conselho Monetário Nacional. O objetivo é construir uma nova proposta para a regulamentação do Artigo 192 da Constituição Federal. A defesa dos bancos públicos federais, regionais e estaduais também deverá ser um dos eixos da campanha.