Convenção Coletiva dos Bancários completa 20 anos

29


A Campanha Nacional de 2012, que pelo nono ano consecutivo conquistou aumento real de salário, melhorias na PLR e em outras cláusulas econômicas e sociais, celebra uma data histórica: os 20 anos da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) dos Bancários. Assinada pela primeira vez em 1992, a CCT garante aos bancários os mesmos salários e os mesmos direitos em todo o território nacional e em todos os bancos, públicos e privados.


“Essa é uma conquista histórica e única no Brasil, uma construção de muitas e muitas gerações de bancários. Fruto da ousadia, da coragem da categoria para a luta, da sua capacidade de organização e da busca permanente da unidade nacional, a Convenção Coletiva é hoje um paradigma para as demais categorias de trabalhadores do País”, comemora Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT.


“Assinar a convenção coletiva em 1992, embora naquele momento só para bancos privados e estaduais, foi de extrema importância para nossa luta e sobretudo para nossa unidade. Se antigamente havia os acordos coletivos por Estado, no momento em que conseguimos unificar a categoria numa única convenção, isso abriu um novo caminho para as conquistas futuras que tivemos nos últimos períodos”, conta Carlos Cordeiro.


Com essa unidade nacional e capacidade de mobilização, por exemplo, nos últimos nove anos os bancários conquistaram com paralisações massivas 16,22% de aumento salarial acima da inflação, além de ganho real de 35,57% no piso e melhorias sucessivas na PLR.


“Além das conquistas econômicas, obtivemos com unidade e luta importantes avanços nas cláusulas sobre saúde, condições de trabalho, combate ao assédio moral, segurança bancária e igualdade de oportunidades”, acrescenta o presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará, Carlos Eduardo Bezerra.


Veja abaixo as principais conquistas dos bancários nos últimos 20 anos:


1992 – Assinatura da primeira Convenção Coletiva de Trabalho, válida para todo o País.


1995 – Bancários são a primeira categoria a conquistar a Participação nos Lucros e Resultados.


1998 – Implementação do Programa de Prevenção, Tratamento e Readaptação de LER/DORT.


2000 – Inclusão na CCT da cláusula sobre Igualdade de Oportunidades.


2003 – Primeira campanha salarial unificada. Com greve, bancários dos bancos públicos conquistam a mesma PLR dos bancos privados.


2004 – Conquista, com greve, de aumento real de 1,7% no salário e de 5,7% sobre o piso.


2005 – Após greve vitoriosa, o BB assina pela primeira vez a CCT da categoria. Empregados da Caixa conquistam equiparação do valor da cesta-alimentação da Fenaban.


2006 – Conquista do valor adicional de PLR e de 0,6% de aumento real. Pela primeira vez, a Caixa assina a CCT.


2007 – Conquista da 13ª cesta-alimentação e de 1,1% de ganho real.


2009 – Licença-maternidade de 180 dias. Aumento real de 1,5%. Inclusão dos parceiros de mesmo sexo nos Planos de Saúde. 15 mil contratações no BB e na Caixa. Criação de mecanismos de combate ao assédio moral.


2010 – Inclusão na CCT, pela primeira vez, de cláusula com mecanismo de combate ao assédio moral. Ganho real de 3,1% no salário e de 11,6% no piso.


2011 – Aumento real de 1,5% no salário e de 4,3% no piso. Fim de divulgação de rankings. Cinco mil novas contratações na Caixa. Proibição do transporte de numerário por bancários.


2012 – Ganho real de 2% no salário e de 2,95% no piso e demais verbas. Cláusula garantindo os salários dos bancários afastados que aguardam perícia médica.