Cresce a taxa de sindicalização no Brasil

54

O aumento do emprego formal e a luta dos sindicatos para representar cada vez melhor os trabalhadores resultaram na expansão do número de sindicalizados no Brasil. Em 2005, cerca de 18% dos trabalhadores eram sindicalizados. Esse percentual é pequeno, mas vem crescendo desde 2001, quando a taxa era de 16%.


Márcio Pochmann, economista da Unicamp, diz que a sindicalização subiu devido a dois movimentos. No setor rural, por causa do Pronaf. No setor urbano, o que puxa a sindicalização é a recuperação do emprego com carteira assinada.


De 1999 a 2005, o ambiente da sindicalização se mostrou tão favorável, porque houve a expansão de 13,7 milhões de novos postos acompanhada do adicional de 4,2 milhões de novos sindicalizados. Em resumo, a cada 100 trabalhadores que encontraram uma ocupação, 31 terminaram se sindicalizando.


Com a melhora do mercado de trabalho, os sindicatos voltaram a ter mais sócios e as negociações salariais voltaram a ter importância. As entidades ganharam mais poder de fogo nas negociações salariais com a economia estabilizada. Em 2006, os trabalhadores obtiveram aumento real acima da inflação em 86% das negociações salariais realizadas, o melhor resultado nos últimos 11 anos.