Crianças são infectadas por via sexual

59

Infecções de crianças pelo vírus da Aids pela via sexual, já são uma realidade. Pensava-se que o contágio infantil ainda se dava quase que em sua totalidade de mãe para filho. Uma pesquisa localizada pode dar uma idéia dessa triste constatação. O Hospital da Criança das Obras Sociais de Irmã Dulce, na Bahia, constatou que dos 9.850 jovens pacientes atendidos, 1.282 (cerca de 12%) foram vítimas de maus-tratos. No entanto, o mais surpreendente é que das 57 crianças que sofreram abusos sexuais, cinco delas foram contaminadas com vírus HIV.

O mapeamento se refere ao período de junho de 1999 a maio de 2006. Até então, a instituição hospitalar nunca havia registrado casos relacionados a menores infectados por via sexual. O mais comum é que os portadores desta faixa etária (até 13 anos de idade) adquiram a patologia antes do nascimento ou durante o parto.

O trabalho intitulado Características Epidemiológicas e Fatos Assumidos à Ocorrência de Maus-tratos contra Crianças/Adolescentes revela que em quase totalidade dos casos de abuso sexual, as vítimas eram do sexo feminino – 54 em 57 casos. Porém, nos três casos de garotos violentados todos foram contaminados pelo HIV. A última ocorrência foi registrada há dois meses e o menor infectado teria menos que cinco anos de idade. Dos 1.282 vítimas de abuso, 838 eram do sexo feminino (65%), contra 444 do sexo masculino.

Os médicos esclarecem que, se o menor for levado a uma instituição hospitalar em menos 36 horas depois de ocorrido o abuso, ele poderá receber medicação que impede a contaminação. Um grande agravante é o fato do agressor ser alguém conhecido pelo menor que dificulta a identificação do caso pelo médico, pois o abuso é iniciado freqüentemente por aliciamento, sem violência, sem deixar marcas físicas. Outro agravante é o da convivência familiar. Seja por vergonha da exposição ou por medo da ausência do agressor, já que este geralmente é o provedor da casa, muitas mães preferem não denunciar o agressor.