Crime estimula criação de leis buscando mais segurança nas agências

39

A proliferação do crime das chamadas “saidinhas/chegadinhas bancárias” tem estimulado diversas cidades e estados do País, incluindo o Ceará, a aprovar e encaminhar projetos de leis que proíbem o uso de celular dentro de agências bancárias e a implantação de biombos para preservar as operações realizadas pelos clientes. Nesta modalidade de assalto, um criminoso dentro da agência avisa o comparsa do lado de fora sobre o valor do saque feito pela vítima.


Para o Coletivo Nacional de Segurança Bancária da Contraf-CUT, a medida joga o problema da insegurança para o cidadão, seja ele bancário, vigilante, cliente ou usuário. “A solução passa pela melhoria das instalações e ampliação dos equipamentos de segurança nos bancos, como porta com detectores de metais antes do acesso ao autoatendimento, câmeras internas e externas de filmagem com monitoramento fora do estabelecimento controlado, vidros blindados nas fachadas e divisórias opacas na bateria de caixas e entre os caixas eletrônicos para garantir a privacidade das transações”, defende o secretário de imprensa da Contraf-CUT, Ademir Wiederkehr.


O presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará, Carlos Eduardo, ressalta que toda medida que tenha o objetivo de aumentar a segurança de bancários e clientes é válida, mas que é preciso também cobrar das direções dos bancos que invistam mais em segurança, além de exigir providências também do poder público. “É importante o reforço da segurança pública, com mais policiais e viaturas nas ruas e principalmente um reforço considerável no Interior, além de ações integradas de inteligência policial que busquem a prevenção desses crimes e a prisão das quadrilhas especializadas em assaltos e saidinhas”, avalia.

LEIS E PROJETOS EM DISCUSSÃO NO CEARÁ – No início de junho, a Câmara Municipal de Fortaleza realizou uma audiência pública na Praça do Ferreira para apresentar à população os projetos de lei municipal que falam sobre segurança bancária. De acordo com dados da Câmara, em 41% dos casos os valores roubados são entre R$ 1 e 5 mil. Um dos autores de uma das leis, o vereador Marcos Teixeira (PMDB), acredita que, na prática, os casos devem diminuir. A proposta dele é de que seja proibido o uso de celulares no interior das agências bancárias em Fortaleza.


Em âmbito estadual, tramitam na Assembleia Legislativa do Ceará três projetos: um deles prevê a instalação de equipamentos para que o cliente tenha atendimento reservado e com isolamento visual, para garantir que os criminosos não vejam as negociações. Os outros dois também preveem a proibição do uso de aparelhos celulares nas agências do Estado.

CONFIRA OS PROJETOS DE LEI EM TRAMITAÇÃO NO MUNICÍPIO E NO ESTADO