Crimes eletrônicos serão investigados pela Polícia Federal

13

Os crimes eletrônicos cometidos contra o Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco, BRB (Banco de Brasília) e o Banco da Amazônia passarão a ser investigados também pela Polícia Federal (PF).


Um protocolo assinado dia 23/6 entre as instituições financeiras e a PF permite que, assim que os bancos detectarem alguma fraude eletrônica, a Polícia Federal inicie imediatamente as investigações por meio de informações repassadas pelas instituições. Atualmente, esse tipo de crime é investigado pela Polícia Civil.


Para o diretor técnico da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), Wilson Gutierrez, o crime eletrônico, por meio da internet, oferece limitações para a investigação da polícia estadual porque o criminoso na maioria das vezes age a partir de outro estado.

“Anteriormente não havia essa vestimenta operacional e jurídica para passar as informações para a Polícia Federal. A diferença é que a Polícia Civil tem atuação em nível estadual. E normalmente uma quadrilha quando faz o crime está em um estado atuando em outro”, disse.


O presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará considera válida essa iniciativa. “É importante não só para os bancos, como para a sociedade, que esses crimes sejam investigados e punidos da melhor maneira possível e de forma rápida. Hoje a internet é realidade para a maioria das pessoas e é importante sabermos que esse ambiente está cada vez mais seguro”, afirma.