Demora na escolha da diretoria paralisa atividades do BNB

21

Quase cinco meses após a posse da nova Presidenta do Brasil, Dilma Roussef, e a direção do BNB continua à deriva, sem a nomeação inclusive de seu principal cargo, a Presidência. Enquanto permanece a indefinição, o Banco está literalmente paralisado, sem realizar operações, totalmente em compasso de espera.


A insatisfação de clientes e funcionários, principalmente das agências, é crescente e a preocupação com os resultados da instituição no primeiro semestre deste ano é grande, podendo comprometer o nome e a história do Banco, sem contar os prejuízos diretos para o funcionalismo com a perspectiva de um lucro reduzido e suas consequências sobre as demandas funcionais.


A Comissão Nacional dos Funcionários do BNB (CNFBNB/Contraf-CUT) e o Sindicato dos Bancários do Ceará cobram das autoridades governamentais e políticos, notadamente deputados federais e senadores nordestinos, uma mobilização para resolver o impasse junto ao Ministério da Fazenda e Palácio do Planalto e denunciam possíveis manobras de políticos do Sul e Sudeste para ocupar a direção da empresa.


Ao mesmo tempo, a CNFBNB/Contraf-CUT e SEEB/CE entendem que, mesmo interinamente, os atuais dirigentes da Instituição não podem ficar vendo o tempo passar. Têm que mostrar atitude, inclusive na tomada de medidas visando um maior disciplinamento por parte de ocupantes do alto escalão do Banco. Denúncias chegam diariamente à CNFBNB/Contraf-CUT e Sindicato dando conta de uma total falta de controle das atividades de gestores da hierarquia superior, levando os funcionários, em sua maioria, a ficarem revoltados com os rumos que o BNB vem tomando.