Dez anos após o massacre de Eldorado dos Carajás, responsáveis continuam impunes

70

Para lembrar os 10 anos do massacre em Eldorado do Carajás, militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) fizeram uma manifestação na Praça do Ferreira, na segunda-feira, 17/4, cobrando justiça e o fim da impunidade. O protesto contou com a presença de parlamentares, movimentos populares e sindicatos. O MST, durante várias horas lembrou as vítimas do massacre com cruzes e trabalhadores estendidos no meio da praça para simbolizar os 19 mortos de Eldorado dos Carajás (PA), em 1996.

Naquele dia, 3 mil trabalhadores Sem Terra ocuparam a rodovia PA-150 e estavam em caminhada em direção a Marabá para exigir a desapropriação da Fazenda Macaxeira, conhecido latifúndio improdutivo da região. A Secretaria Nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) relembra: eles foram cercados por duas tropas de militares, que abriram fogo para cumprir a ordem do Governador do Pará na época, Almir Gabriel (PSDB), de desobstruir a pista a qualquer custo. Os policiais saíram dos quartéis de Parauapebas e Marabá sem identificação na farda e no armamento e avisaram os médicos e ambulâncias para ficarem de plantão!

A violência sem limites deixou oficialmente 19 trabalhadores mortos. Outros três morreram depois em conseqüência das seqüelas. Até hoje, não se tem certeza se o número corresponde à realidade. Três julgamentos do Massacre foram realizados. Nenhum dos 142 soldados envolvidos no caso foi punido. Os dois comandantes responsáveis pela operação, coronel Mário Colares Pantoja e major José Maria Pereira de Oliveira, apesar de condenados a 264 anos pelo júri popular, aguardam em liberdade o julgamento de recursos no Superior Tribunal de Justiça. O processo está parado até agora.

Mortos pela terra – Em 2005, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) registrou um crescimento de 106% nas mortes em conseqüência dos conflitos agrários. Só no ano passado, 64 pessoas morreram. Em 2004, foram 31 ocorrências. Segundo o informe, a violência no campo tem diversas faces. Há a violência direta, já em 2006, o registro de assassinatos foi menor este ano. De janeiro a março de 2006 aconteceram três assassinatos. Já em 2005, no primeiro trimestre, ocorreram 13 mortes.