Direção dá um golpe e aumenta valores do Saúde Caixa

7


No último dia 26/1, a direção da Caixa desferiu mais um golpe contra os empregados ao enviar comunicado, informando os novos valores a serem cobrados dos assistidos pelo Saúde Caixa a partir de 1º de fevereiro. A mensalidade dos trabalhadores da ativa e aposentados aumenta de 2% para 3,46% da remuneração base; a coparticipação das despesas assistenciais sobe de 20% para 30% e o valor limite da coparticipação passa de R$ 2.400 para R$ 4.200. Nesse último caso, toda vez que o assistido ultrapassa esse gasto, o complemento é feito pela Caixa.


A empresa tomou essa decisão sem negociar com o movimento sindical, nem discutir no Conselho de Usuários. A medida da Caixa desrespeita à cláusula 32ª do acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), que estabelece a manutenção dos percentuais de mensalidade, da coparticipação e do valor para o teto.


Os representantes dos empregados denunciam que essa medida em nenhum momento foi apresentada pelo banco aos representes dos assistidos. Eles dizem que a Caixa deveria discutir com seriedade a destinação do superávit, ao invés de simplesmente penalizar os empregados com aumentos abusivos no plano de saúde.


Segundo dados atuariais do próprio banco, o Saúde Caixa apresenta superávit acumulado de cerca de R$ 700 milhões em 2016 e que deve ter resultado novamente positivo em 2017.