Direção do banco tenta desmobilizar funcionários

37


Em comunicado interno, instituição diz que negociações não foram interrompidas, quando, na verdade, os trabalhadores cobram retomada das mesas. Em vez de marcar negociação com os dirigentes sindicais e apresentar proposta global às reivindicações específicas dos funcionários para renovação do acordo aditivo, a direção do Banco do Brasil aposta na confusão para tentar desmobilizar os trabalhadores dentro da Campanha Nacional 2015.


O Boletim Pessoal sobre a Campanha Nacional dos Bancários divulgado dia 29/9 fala sobre o processo negocial e cita os poucos avanços até agora na mesa de negociação específica e reafirma a proposta apresentada na mesa da Fenaban e ainda se diz aberto ao diálogo. O que o banco não diz é que o lucro do BB foi conseguido às custas dos trabalhadores, com metas abusivas que causam adoecimento, com muita pressão, assédio e ameaças, muitas vezes institucionalizadas.


A última rodada de negociação ocorreu em 18 de setembro e, mesmo assim, o BB divulgou comunicado interno dando a entender que as reuniões com a Comissão de Empresa dos Funcionários prosseguem normalmente.


As cinco rodadas realizadas abordaram a totalidade da pauta específica dos funcionários do BB para a Campanha Nacional Unificada 2015. Entre as reivindicações para a renovação do acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho destacam-se: mais contratações, melhorias no PCR (Plano de Carreira e Remuneração), fim dos descomissionamentos, do assédio moral e das metas abusivas.


“O BB interrompeu unilateralmente o processo negocial e não deu resposta às cobranças por nova rodada com o Comando. Os bancários devem ficar atentos para não cair nessa enrolação do banco. E, a partir do dia 6, vamos organizar uma greve forte”
José Eduardo Marinho, diretor do Sindicato e funcionário do BB