Dirigentes sindicais condenam política anti-sindical e desrespeito

28

Em plenária realizada na última quarta-feira, dia 15/7, em São Paulo, cerca de 80 dirigentes sindicais do Santander e Real de todo Brasil condenaram com veemência a política anti-sindical e o desrespeito do banco espanhol. Eles decidiram enviar, nos próximos dias, um documento ao presidente do Santander Brasil, Fábio Barbosa, com cópia ao presidente mundial Emílio Botín, cobrando respeito aos direitos dos trabalhadores e negociações com as entidades sindicais.


O banco vem tratando os direitos conquistados pelos trabalhadores como se fossem benefícios generosamente concedidos, além de ter implementado alterações nos fundos de previdência complementar, como HolandaPrevi e Banesprev. “Para resolver os problemas inerentes às mudanças unilaterais realizadas pelo banco, é necessário que o Santander abra um canal de negociação e venha com disposição para discutir as mudanças com os representantes dos funcionários”, afirmou o diretor do SEEB/CE e funcionário do Santander/Real, Eugênio Silva.

HOLANDAPREVI – Os sindicatos estão realizando assembleias, em todo o País, para autorizar a entrada de ações judiciais contra o HolandaPrevi e o Santander. O objetivo é garantir a manutenção do valor dos aportes feitos pelo banco até 31/5/2009 e acabar com imposição aos bancários de aderir à nova regra do plano com direitos rebaixados. As entidades também realizam campanhas de sindica-lização, especialmente no Real. Há juízes que somente estendem as suas decisões aos sócios dos sindicatos. Os dirigentes sindicais voltaram a cobrar a realização de eleições para o Conselho Deliberativo e o Conselho Fiscal.

BANESPREV – O Banesprev marcou uma assembleia geral extraordinária para o próximo dia 1º/8, em São Paulo, para alterar os estatutos, apresentando uma série de propostas de mudanças e adequações. Há avanços importantes, como a possibilidade de eleição de aposentados para diretores financeiro e administrativo e conselheiros deliberativos e fiscais. Entretanto, há vários pontos negativos, como a implantação do voto pelo correio e nova composição da comissão eleitoral.