Dirigentes sindicais pedem esclarecimentos sobre Saúde Caixa

8


Os empregados retomaram as negociações com a Caixa Econômica Federal sobre o plano Saúde Caixa, no último 29/1, em Brasília. Os dirigentes da Contraf-CUT solicitaram esclarecimentos a respeito dos números fornecidos pela empresa, uma vez que a planilha encaminhada apresenta dados contraditórios com as regras constantes do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).


Outra questão colocada é que o relatório atuarial apresentado pelo banco considera, para efeito de elaboração das projeções para os três exercícios futuros, outras despesas que não as assistenciais, contrariando também os parâmetros constantes do ACT, que no parágrafo 2° da cláusula 26ª deixa claro que apenas as despesas assistenciais serão custeadas na proporção de 30% para os empregados e 70% para a Caixa, devendo todos os demais custos ser suportados 100% pela empresa.


Ocorre que, na época do contingenciamento, a Caixa afirmava que o plano havia sido deficitário nos anos de 2004 a 2007. No entanto, quando os bancários tiveram acesso aos números, foi verificado que isso não era verdade: o Saúde Caixa sempre foi superavitário. A necessidade de que o superávit do Saúde Caixa seja consumido no próprio exercício é vital para a melhoria do plano de saúde dos empregados da Caixa em nível de coberturas e de ampliação da rede credenciada e no setor de atendimento.


A questão relativa à proposta de metodologia para utilização do superávit do Saúde Caixa será objeto de novas reuniões do GT Saúde nos dias 20 e 26 de março. O prazo de conclusão desse debate encerra-se em 15 de abril.