Dirigentes sindicais se reúnem com presidente do Santander Brasil

27

A Contraf-CUT, o Sindicato dos Bancários de São Paulo, a Fetec-CUT/SP, a Feeb SP/MS e a Afubesp se reuniram pela primeira vez com o presidente do Santander Brasil, Marcial Portela, na quinta-feira, dia 15/9, em São Paulo. A reunião foi solicitada por ele, que começou expondo que ali cumpria um objetivo que estabelecera desde a sua posse: o de dialogar com as entidades sindicais. Os dirigentes sindicais pediram informações sobre a situação do Santander no Brasil e na Espanha. Portela afirmou que tanto a filial brasileira, quanto a dos demais países funcionam como “subsidiárias independentes” e que têm autonomia em relação à Espanha. Ele também apontou a estratégia da empresa de, em três anos, o Santander ser o melhor banco para se trabalhar.


Sobre a crise internacional, principalmente na Europa, Portela disse que o banco está protegido da crise, pois os investimentos da matriz na dívida pública espanhola têm as mesmas proporções que nos títulos públicos no Brasil. Para ele, não há um cenário de risco na Espanha, nem a possibilidade de respingos da crise no Santander Brasil. O presidente do banco assinalou uma expectativa de crescimento no Brasil, mesmo com redução na demanda de crédito.


Diante deste quadro, de aparente tranquilidade, os dirigentes sindicais indagaram o motivo de tanta remessa de capitais para a Espanha. Portela respondeu que o Santander envia dividendos para os acionistas espalhados pelo mundo.


Os sindicalistas sabem, no entanto, que as remessas não são apenas de dividendos. Quase metade do arrecadado com o a venda de ações (IPO), em outubro de 2009, foi enviado à Espanha, que nesta semana, inclusive, ocorreram outras remessas, conforme noticiou a mídia brasileira. Desta forma, os dirigentes sindicais alertaram que essa prática poderia resultar, para a filial brasileira, o mesmo desfecho da fábula da galinha dos ovos de ouro.


Quanto à expectativa de crescimento no Brasil, os sindicalistas questionaram o porquê da eliminação de mais de mil postos de trabalho no primeiro semestre deste ano, ressaltando que na América do Sul e na Espanha não há demissões. Também reclamaram da falta de funcionários, da sobrecarga de trabalho e do sufoco no cumprimento de metas abusivas. Eles salientaram, ainda, que essa política adoece os funcionários e não alavanca o banco no mercado, sendo, portanto, necessário mudá-la.


Portela retrucou dizendo que o banco precisa contratar para crescer e que, no mercado, ainda há dificuldades neste sentido. Os passivos do Banespa, em especial dos aposentados do Banesprev, também foram destacados, como sendo uma das principais fontes de conflitos do Santander nas comunidades, a ponto de ter uma CPI para ser instalada na Câmara dos Deputados, em Brasília.


Ao final da reunião, as entidades entregaram uma carta com as principais questões que preocupam os funcionários e aposentados do banco, como a estratégia de crescimento, a remessa de lucros para a Espanha, o corte de empregos, as condições de trabalho e vida, as relações sindicais e as pendências com os aposentados.

AVALIAÇÃO – A Contraf-CUT considera que foi importante dialogar com o presidente do banco, mostrar a preocupação dos sindicalistas sobre os rumos do banco no Brasil e na Espanha, destacar os principais problemas dos funcionários e aposentados e apontar a necessidade de mudar o modelo de gestão no Brasil.