Dois assaltos e ?saidinha bancária? mostram a insegurança nos bancos no Ceará

34

Em pouco mais de 48 horas, criminosos fizeram dois ataques contra agências bancárias do Ceará na semana passada. Na manhã de segunda-feira, dia 27/2, o alvo foi o Banco do Brasil de Catarina, nos Inhamuns. O segundo ataque aconteceu na cidade de Banabuiú, no Sertão Central (214Km de Fortaleza), também numa agência do Banco do Brasil. Desta vez, a cidade foi sitiada, na tarde do dia 1º/3, por uma quadrilha formada por cerca de 12 ladrões de banco, armados de fuzis, escopetas, pistolas e muito explosivo. O grupo invadiu a cidade, fez diversos reféns e usou dinamite para destruir os caixas eletrônicos. O ataque ocorreu entre 15 e 16 horas da quinta-feira.


Neste ano, já ocorreram ataques a bancos em nove cidades do Interior; Banabuiú, Catarina, Madalena, Novo Oriente, Pedra Branca, Senador Sá, Irauçuba, Capistrano e Solonópole.

EM CATARINA – A agência do Banco do Brasil na cidade de Catarina, na Região dos Inhamuns (398Km de Fortaleza), foi invadida pelos ladrões por volta de 11h30, do último dia 27/2, logo após a saída de um carro-forte que abasteceu aquela unidade. A cidade virou palco de violência protagonizada por uma quadrilha de assaltantes de bancos, que atacou também uma agência lotérica e o posto policial da cidade, onde matou um policial militar.


A quadrilha era formada por, pelo menos, oito homens, que usavam roupas camufladas e portavam armas de grosso calibre, como pistolas, fuzis e escopetas. A ação revoltou a população, pois os ladrões sitiaram a cidade, cercaram o banco e a delegacia de Polícia ao mesmo tempo, mataram um PM e roubaram o dinheiro que havia na agência bancária e numa lotérica próxima. Alguns quilômetros depois da cidade, os assaltantes incendiaram um Uno que havia sido utilizado na fuga. Mais tarde, um suspeito foi detido pela Polícia Militar.

  

O SEEB/CE visitou a unidade e deu orientação aos bancários.

EM BANABUIÚ – Os assaltantes invadiram a cidade de Banabuiú utilizando, pelo menos, quatro veículos, sendo duas caminhonetes Hilux (uma prata e outra preta), um Uno prata e, ainda, a caminhoneta S-10 que havia sido tomada de assalto, na noite de anterior, do prefeito do Município de Salitre, no distrito de Cristais, próximo à BR-116. Os criminosos dispararam muitos tiros de fuzil e usaram uma excessiva carga de dinamite para explodir os caixas. A detonação dos artefatos destruiu, praticamente, toda a agência bancária, fazendo ruir o teto e espalhando estilhaços de vidro de portas e janelas.

“SAIDINHA BANCÁRIA”EM FORTALEZA – O engenheiro civil, Kelbson Nogueira Diógenes, de 29 anos, foi morto a tiros no estacionamento de uma agência do Itaú, na Avenida 13 de Maio, bairro de Fátima, em Fortaleza, no último dia 1º/3. De acordo com informações da Polícia Militar, ele teria reagido a uma “saidinha bancária” praticada por dois homens ainda no estacionamento do banco, após ter sacado quantia de R$ 21 mil e foi atingindo por um tiro no peito. Os assaltantes conseguiram fugir em uma motocicleta e num carro Fox. Na agência o atendimento continuou normalmente.

Presidente do SEEB/CE afirma que Sindicato cumpre seu papel

Para o presidente do SEEB/CE, Carlos Eduardo Bezerra, a questão da segurança bancária é uma necessidade emergencial, de interesse social da população e dos trabalhadores. Falta efetivo policial, falta especialização e inteligência policial para dar resposta à segurança pública e falta responsabilidade dos bancos na proteção à vida. É o setor que mais lucra no País. Alguns bancos estão na ilegalidade, não estão cumprindo o que a lei de segurança pública estadual rege, das divisórias, dos biombos, das fachadas, dos vigilantes, das câmeras de vigilância, dos celulares. Os bancos também continuam sendo multados por ilegalidade por não cumprir o plano de segurança da legislação federal (lei 7102/83)


“Nós já tivemos, neste ano, 14 ataques a bancos registrados. No ano passado, no mesmo período, tivemos dois. É um aumento alarmante. Nós já entregamos projeto de lei para a Câmara Municipal de Fortaleza e é urgente que os vereadores o encaminhem para que possamos cobrar mais ainda dos bancos”, disse.


“Nós precisamos de mais equipamentos de segurança, como porta-giratória com detector de metais, fachada blindada, mais câmeras de vigilância interna e externa (digital e online), mais vigilantes, retardo de cofre, tirar a prerrogativa de transporte de valor pelo bancário e passar para a empresa de segurança, ter a questão do resguardo dos trabalhadores bancários nessa questão de abertura de cofres, tem que sair dos bancários e ir para o núcleo de segurança dos bancos”, conclui.