É preciso democratizar os meios de comunicação no Brasil

64

Foto: Drawlio JocaFoi com essa conclamação que o secretário de Formação do SEEB/CE, Leirton Leite, instigou o debate “Mídia e Poder Político na Atualidade”, promovido na última quinta-feira, 24/4, ao ler o Manifesto da Mídia Livre (disponível no site www.cartamaior.com.br).


Os palestrantes foram os jornalistas Plínio Bortolotti (jornal O Povo) e Nonato Lima (diretor da Rádio FM Universitária). Entre os principais temas foram abordados a necessidade de criação de um meio de comunicação de massa forte e nacional por parte do movimento dos trabalhadores e o desafio que se constitui em operacionalizar essa ação.


Plínio Bortolotti, que é ex-assessor de imprensa do SEEB/CE, apontou alguns entraves na construção desse desafio, como a concentração dos meios de comunicação nas mãos de grandes grupos empresariais, além da forma como são feitas as concessões (favorecimentos) e a carência de políticas governamentais de incentivo ao desenvolvimento de mídias alternativas. Por isso, segundo ele, é preciso democratizar o acesso aos recursos públicos. “Uma forma de democratizar a comunicação no Brasil é democratizando a verba e um governo de esquerda pode ajudar nisso. Agora, cabe aos movimentos populares lutar por isso também”, avalia.


Nonato Lima, responsável pelo programa Rádio Bancários há 15 anos, ressaltou que é importante refletir sobre o papel da cidadania na comunicação. “É preciso que o movimento sindical tenha consciência disso e dê mais importância aos seus meios de comunicação, que devem ter o papel de formar e conscientizar. A mídia sempre trouxe uma avalanche de notícias contra os movimentos sociais, o MST, o Lula, mas a população não engoliu. Isso quer dizer que a mídia não pode tudo e que os sindicatos podem e devem atuar conscientizando os trabalhadores”, conclui.