Em 2009, Previdência Social deve registrar gastos de R$ 2 bilhões apenas com as LER/Dort

24

Para 2009, as despesas da Previdência Social apenas com as Lesões por Esforços Repetitivos/Distúrbios Osteomusculares Relaciona- dos ao Trabalho (LER/Dort) devem chegar a R$ 2,1 bilhões.


Essas informações foram divulgadas pelo Departamento de Políticas Públicas de Saúde e Segurança Ocupacional do Ministério da Previdência e Assistência Social.


A pressão por metas é um dos principais motivadores da doença, que aumentou 586% entre os anos de 2006 e 2008, conforme os casos registrados em perícias do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Nesse caso, a situação tende a ser ainda mais grave, diante de subnotificações e da falta de fundamentação nos laudos periciais.


No setor bancário, as doenças ocupacionais também preocupam. Isso porque o assédio moral, muitas vezes consequência dessa pressão por metas, tem paralelo direto com a falta de condições dignas de trabalho e com a ausência de preocupação com as LER/Dort nos bancos.


Segundo o secretário de Saúde do Sindicato, Eugênio Silva, outro assunto que é bastante discutido entre os bancários é a postura dos peritos do INSS ao realizarem as perícias. Os bancários afirmam que sofrem discriminação do tipo “vocês não querem trabalhar”, além de tratar os bancários com indiferença, duvidando da doença.


Vale salientar que os bancários de bancos privados, quando de licença-saúde, não recebem o tíquete e a cesta-alimentação, o que representa muito no orçamento do bancário. “Sem falar que o período de licença-saúde superior a seis meses não conta para a concessão das férias, portanto, não há interesse do bancário em permanecer de licença-saúde”, afirma Eugênio.


O que são as LER/Dort – Dá-se o nome de LER/Dort ao conjunto de doenças causadas por esforço repetitivo. As LER/Dort envolvem tenossinovite, tendenite, bursite e outras doenças. Embora conhecida há mais de 100 anos as LER/Dort tornaram-se, a partir da década de 1990, muito freqüentes devido ao advento da informática. Elas podem ser causadas ainda por esforço repetitivo devido à má postura, stress ou trabalho excessivo.


Geralmente os sintomas são de evolução insidiosa até serem claramente percebidos. Com frequência, são desencadeados ou agravados após períodos de maior quantidade de trabalho ou jornadas prolongadas e em geral, o trabalhador busca formas de manter o desenvolvimento de seu trabalho, mesmo que à custa de dor.


As queixas mais comuns do portador de LER/Dort são: dor localizada; fadiga; formigamento; dormência; sensação de diminuição de força; inchaço; enrijecimento muscular, entre outras. Nos casos mais crônicos pode ocorrer alodínea (sensação de dor como resposta a estímulos não nocivos em pele normal).


GASB – O Sindicato dos Bancários possui o Grupo de Apoio à Saúde dos Bancários (GASB), que se reúne sempre na última quinta-feira de cada mês, na sede da entidade (Rua 24 de Maio, 1289). Criado especificamente para dar suporte aos trabalhadores portadores de doença ocupacional, o GASB é um grupo organizado há mais de quatro anos pela Secretaria de Saúde do SEEB/CE. Os encontros do Grupo são acompanhados pela assessora de saúde do Sindicato, Regina Maciel.


A proposta do Grupo é manter uma discussão permanente sobre as enfermidades que afligem a categoria, bem como o intercâmbio dos bancários com doenças relativas ao exercício do trabalho. As reuniões servem ainda para a troca de informações inerentes à convivência diária com as doenças adquiridas durante o horário de serviço.