Em negociação, Caixa nega existência de processo de reestruturação

8


A existência de mudanças de impacto na situação funcional e na locação dos empregados foi negada pela Caixa Econômica Federal na mesa de negociações permanentes com a Contraf-CUT, federações e sindicatos, na terça-feira, dia 20/2, em Brasília.


Os representantes da empresa voltaram a afirmar que não há nada além do que pesquisas e diagnósticos sendo feitos por uma consultoria contratada, visando levantar pontos estruturais críticos e apontar melhorias em procedimentos. Coisa tida como parte da busca permanente por aperfeiçoamentos. O trabalho da consultoria, segundo informaram, está ainda inconcluso e, portanto, desconhecido entre os gestores que não são da área que o acompanha.


Houve reconhecimento por parte dos negociadores da Caixa quanto à movimentação que acontece na área de Contabilidade, envolvendo as seis unidades situadas em diferentes pontos do País, mas como um caso específico, de alcance restrito. Os representantes dos empregados chamaram a atenção para a dimensão que o boato sobre reestruturação assumiu dentro da empresa e solicitaram à Caixa iniciativas no sentido de melhor informar e orientar o corpo funcional para evitar inquietações. Sugeriram, inclusive, comunicação dirigida especificamente aos gestores, com o intuito de orientá-los a não darem vazão ao que não se tem como certo.


A rodada de negociação do dia 20/2 tratou ainda da elaboração de política para descomissionamento, aperfeiçoamento do processo de avaliação por mérito e condições de trabalho. Este último tema envolveu questões como login único, Sisag, atendimento expresso, corredores para abastecimento dos caixas e abertura de agência versus locação de pessoal.


Descomissionamento – A Contraf-CUT entregou à Caixa sugestões para instituição de critérios e procedimentos a serem adotados em caso de retirada da função comissionada. A elaboração da política de descomissionamento foi acertada entre as parte no último acordo coletivo. A ideia é assegurar que o empregado que ascendeu na carreira por meio de processos seletivos internos não venha a ser surpreendido com a retirada da função que galgou sem justificativas plausíveis por parte dos gestores, algo que acontece com muita frequência atualmente. Pelo que se estabeleceu no acordo coletivo, a Caixa deverá apresentar o seu estudo sobre o assunto até 31 de março.


Avaliação por mérito – A Contraf-CUT abordou a avaliação por mérito instituída na empresa a partir de 2008 como uma conquista dos bancários da Caixa e propôs a retomada das discussões para aperfeiçoamento do processo. O entendimento é de que há questões que merecem ser analisadas pela comissão paritária que elaborou os critérios da avaliação. Uma delas se refere às dificuldades que muitos empregados estão tendo para a conclusão dos cursos da Universidade Caixa. A empresa concordou com a retomada das discussões na comissão paritária já no mês de março. A reunião deverá ocorrer entre os dias 11 e 15/3.



CONDIÇÕES DE TRABALHO

Login único – A Caixa informou que o piloto foi implantado com sucesso e que a adoção do login único em âmbito geral se dará até o dia 31 de agosto.

Sisag – Os representantes dos empregados voltaram a chamar atenção para os problemas decorrentes da implantação do Sistema de Automação de Produtos e Serviços de Agências (Sisag), como é o caso da falta de suporte para ocorrências nos procedimentos experimentais. Foi reafirmada a exigência de garantia de não punição aos empregados por erros decorrentes da implantação do novo sistema. A empresa afirmou que os problemas estão sendo eliminados e que os empregados não sofrerão consequências pelos que ocorreram ou que ainda possam ocorrer.

Atendimento expresso – A Caixa ficou de analisar os problemas apontados pela representação dos empregados em relação ao atendimento expresso. O principal deles é quanto à utilização de pessoas sem preparação para realizar o serviço, que exige conhecimento mínimo de operações de caixa.

Abastecimento de caixa – Segundo a empresa, das 22 agências que não contavam com corredores para o abastecimento dos caixas até o início deste ano apenas quatro ainda não tiveram solução para o problema.

Abertura de agências – Segundo os representantes da empresa, a Lotação Autorizada de Pessoal (LAP) nas novas agências é de, em média, nove empregados. A representação dos empregados relatou exemplos de flagrante escassez de pessoal em boa parte das agências que estão sendo inauguradas e cobrou a ampliação do número de empregados, bem como a observância a outros problemas estruturais que comprometem as condições de trabalho.

PLR – A Contraf-CUT cobrou a antecipação do pagamento da segunda parcela da PLR para o dia 1º de março. A empresa anunciou o pagamento para esta data.