Em negociação com BB, Contraf-CUT e Sindicato cobram garantias para os funcionários

4


A Contraf-CUT e Sindicato dos Bancários do Ceará cobraram garantias de praça e de remuneração para os funcionários que tiveram cargos e funções cortadas, bem como a todos que ficarão de excedentes em cada agência, devido ao plano de reestruturação anunciado pelo Banco do Brasil. Reivindicado também que a Verba de Caráter Pessoal (VCP), que garante a remuneração, seja iniciada depois de 1º de fevereiro e que o prazo seja estendido para mais de 4 meses, que os caixas executivos que tiveram seus cargos cortados e não conseguirem realocação sejam contemplados com VCP, que hoje não tem previsão.


Os dirigentes sindicais criticaram a forma como o processo foi conduzido com os funcionários, que souberam da novidade pela imprensa. Outra crítica é pelo lançamento de um pacote de aposentadoria, juntamente com corte de cargos e fechamento de agências. O movimento sindical argumenta que o fechamento de agências no interior do País terá impacto no atendimento à população e causará transtornos para todas as pessoas envolvidas.


Garantias – O BB garantiu que ninguém será obrigado a migrar para jornada de seis horas com redução de salários. Nas movimentações na lateralidade fruto da reestruturação, o funcionário poderá optar em permanecer na jornada de 8 horas. Outra garantia é a criação do TAO Especial (sistema de recrutamento, concorrência e seleção), a partir de 1º de dezembro e sem prazo determinado para acabar, com prioridade aos funcionários das áreas impactadas. Foi solicitado ao banco planilhas de acompanhamento geral e detalhada por prefixo.


“Na negociação com o BB reivindicamos garantias e proteção aos funcionários. Deixamos claro que esse fechamento de agências, a redução de estrutura de unidades e a saída de pessoal, sem que haja reposição, irá precarizar o atendimento e piorar as condições de trabalho, o que pode provocar, inclusive, aumento de adoecimento de funcionários”

Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará e da Fetrafi/NE



Mudanças no BB começam em janeiro/2017


Segundo anúncio do Banco do Brasil, o fechamento das agências e o remanejamento dos clientes serão iniciados em janeiro seguindo até fevereiro de 2017. No Ceará, sete agências serão fechadas e três unidades serão transformadas em postos de atendimento. O BB possui 2.575 funcionários no Ceará e 481 são público potencial do Plano Extraordinário de Aposentadoria Incentivada, que prevê adesão voluntária.


“Em nenhum momento fomos chamados para discutir com o banco essa reestruturação. Não era prevista nenhuma modificação e, de fato, não concordamos com esse enxugamento e a falta de responsabilidade social, que prejudica trabalhadores e a quem depende do banco”, denuncia José Eduardo Marinho, diretor do SEEB/CE e funcionário do BB.



Agências a serem fechadas em Fortaleza

• Av. Monsenhor Tabosa (3471)

• Av. Santos Sumont (3647)

• Ministério da Saúde (4438)

• Dnocs (4440), Ministério da Fazenda (4441)

• Aeroporto (4465) e

• Lagoa de Messejana (5049).


Viram PABs

• Fórum Clóvis Beviláqua

• Assembleia Legislativa do Estado

• Novo Oriente.