Empregados da Caixa decidem manter e fortalecer a greve

17

Indignados com postura da direção da Caixa Econômica Federal, os empregados entram nesta terça-feira, 13/10, em seu 20º dia de greve nacional. A decisão dos bancários do Ceará foi tomada durante assembleia realizada na sexta-feira na sede do Sindicato, em Fortaleza.


Dessa forma, os trabalhadores decidiram intensificar a paralisação para pressionar a empresa a atender as reivindicações específicas. Na rodada de negociação ocorrida na quinta-feira, dia 8/10, em São Paulo, os representantes da Caixa não apresentaram uma proposta que contemplasse as expectativas dos empregados. Nenhuma nova reunião foi agendada.

AVALIAÇÃO – O Comando Nacional dos Bancários e a Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa), desde a última rodada de negociação, avaliam que a proposta feita pelo banco é insuficiente, especialmente na questão da remuneração. Nos últimos anos, a Caixa tem desempenhado um papel cada vez mais presente como operadora de importantes políticas do governo federal, como o Bolsa-Família e os investimentos em habitação.


Se por um lado essa mudança na atuação da Caixa é vista como positiva pelos bancários, ela gerou um aumento enorme na carga de trabalho dos empregados do banco, deteriorando as condições de trabalho. Dessa forma, o Comando entende que, mesmo que o lucro líquido do banco seja insuficiente para pagar aos empregados a regra básica da PLR, os trabalhadores devem receber algum tipo de compensação por toda a sua dedicação e empenho.


Além disso, a proposta não contempla diversas questões específicas reivindicadas pelos trabalhadores, conforme decisão do 25º Conecef, tais como: jornada de seis horas para todos e participação na gestão. Dessa forma, o Comando Nacional decidiu orientar os bancários pela não aprovação da proposta e continuidade da greve na Caixa por tempo indeterminado.