Empregados da Caixa denunciam falta de infra-estrutura das unidades

62

Declarar que a atividade de avaliador de penhor é insalubre e melhorar as condições da agência José de Alencar, considerada até pela direção da empresa, como a pior do País. Estas foram as principais reivindicações dos empregados da Caixa Econômica Federal, durante a visita do engenheiro de Segurança do Trabalho da Caixa, André de Albuquerque à Fortaleza, na semana passada. O engenheiro selecionou oito unidades locais para ver “in loco” as maiores dificuldades em termos de qualidade.

Segundo André, a situação não é boa, é crítica, especialmente as instalações e a infra-estrutura das unidades, com destaque a da Agência José de Alencar e a atividade do avaliador de penhor. Na maior unidade de Penhor do País, localizada na agência da Caixa Pessoa Anta, comprovou os riscos que envolvem a atividade.

Segundo André Albuquerque, o perfil já está sendo traçado e ações estão sendo definidas a partir de laudos técnicos e laudos ergonômicos. Após a conclusão das visitas, será criado um Grupo de Trabalho do Penhor.

Para o delegado no Ceará da Associação Nacional dos Avaliadores de Penhor, Sérgio Reis é importante que seja atestada a insalubridade da atividade, inclusive, para garantir-lhes tempo especial junto à Previdência Social (INSS). Denuncia Sérgio Reis que os laudos técnicos da Caixa foram feitos por peritos sem qualificação em química, ferindo as NR 14 e 15 e que não atestam a insalubridade da atividade de avaliação de penhor.

Outro laudo – o Sindicato dos Bancários do Ceará, atendendo pedido dos avaliadores de penhor locais, patrocinou uma perícia com um engenheiro químico, que atestou insalubridade máxima. Os avaliadores querem urgência nesse reconhecimento da insalubridade do penhor por parte da empresa.

A visita do engenheiro de Segurança às unidades de Fortaleza foi acompanhada pelo presidente do Sindicato dos Bancários, Marcos Saraiva e pelo diretor da APCEF, John Kennedy, que avaliam ser importante a visita, principalmente, porque ele constatou “in loco” as dificuldades das unidades da Caixa, em termos de qualidade do ambiente de trabalho. Mas, garantem que vão acompanhar de perto os encaminhamentos para solucionar os problemas.