Empregados da CEF definem pauta do Ceará para 31º Conecef

20


Reunidos no último sábado, 30/5, os empregados da Caixa Econômica Federal no Ceará participaram do Encontro Estadual e definiram as principais demandas do Estado a serem levados ao 31º Congresso Nacional dos Empregados da CEF (Conecef), que acontece de 12 a 14/6, em São Paulo, que define a pauta reivindicações específicas para a campanha salarial 2015. Como o objetivo é construir uma pauta que atenda aos verdadeiros anseios dos empregados, todas as propostas apresentadas no Encontro do Ceará serão levadas ao Conecef.


O diretor do Sindicato dos Bancários, Jefferson Tramontini, fez uma breve análise de conjuntura, nacional e internacional, para abrir os debates do Encontro. “É importante que os empregados se engajem na luta contra o PL 4330 da terceirização, pois ele afeta sim as estatais e põe nosso emprego em risco. Uma prova de que nossa mobilização tem força foi o recuo do governo em abrir o capital da Caixa, anunciado recentemente após nossa luta intensa contra essa medida e em defesa da Caixa 100% Pública”, ressaltou.


Já o diretor do Sindicato e representante do Ceará na Comissão de Empresa dos Empregados da Caixa (CEE Caixa), Marcos Saraiva, ressaltou a importância da contratação de mais empregados. “Com o PAA saíram cerca de 2.500 empregados e foram realizadas apenas 48 admissões. Quando o ACT foi assinado em outubro do ano passado, não havia perspectiva de realização do PAA. O quantitativo de dois mil era para reduzir a carência de pessoal já existente nas unidades e que gera a sobrecarga de trabalho e adoecimento dos trabalhadores, e não para suprir vagas de um eventual PAA”, explicou Marcos.


Confira as principais demandas apresentadas pelos empregados da CEF


• Mais celeridade nas contratações e reposição dos que saíram no PAA;


• Melhoria das condições de trabalho nas agências e no Edifício Sede;


• Fim do programa de Gestão de Desempenho de Pessoas (GDP);


• Atenção para as condições de trabalho dos tesoureiros;


• Isonomia, com o retorno da licença-prêmio e ATS;


• Destinação do superávit do Saúde Caixa e outras demandas do plano;


• Pagamento das horas extras integrais para todos os empregados;


• Retorno da substituição em cascata;


• Combate ao assédio moral.