Empregados denunciam prejuízo na avaliação de desempenho

16

A Circular Interna da Caixa Econômica Federal (CI SN – Administração de Pessoas 026/11), divulgada no início do mês de maio, que orienta as agências a reduzirem em 30% a dotação de horas extras dos trabalhadores, criou um sério problema na questão da avaliação de desempenho dos trabalhadores da Caixa, principalmente dos caixas. Ou seja, como a empresa colocou a pontuação do trabalhador para promoção a questão do treinamento na Universidade Caixa, os caixas executivos são extremamente prejudicados com a supressão das horas extras.


O diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará, Marcos Saraiva, avalia que, o corte da dotação, aumentou a quantidade de trabalho, causando prejuízo a todos – população e bancários. “Os trabalhadores são obrigados a achar formas de cumprir a enorme demanda de trabalho e ainda arranjar tempo para fazer o treinamento na Universidade Caixa”, denuncia.


O treinamento na Universidade Caixa é feito somente no âmbito da empresa. Ou seja, não há possibilidade do bancário fazer seu treinamento fora do trabalho, em casa, por exemplo, no horário de folga. “Como vamos ter pontuação para boa avaliação de desempenho se não temos tempo para fazer o treinamento? Isso, porque a demanda de trabalho é enorme nas agências, especialmente para nós, caixas executivos, pois temos que dar conta das filas de clientes, dos inúmeros malotes e fechamento do caixa diariamente”, denuncia um caixa executivo de uma agência da Capital.


Na Campanha Nacional dos Bancários de 2010 foi criada uma comissão para aperfeiçoar o sistema de ponto eletrônico, corrigindo distorções que prejudicam os trabalhadores. Mas essa questão é demanda que surgiu com o advento das promoções serem avaliadas pelo desempenho do empregado, obrigado a pontuar pela Universidade Caixa. “Ao longo dos anos, conseguimos pequenas melhoras, mas temos ainda muitos ajustes a fazer e, em pontos como esse, a direção do banco vem fugindo ao debate. Temos que fazer este enfrentamento”, conclui Marcos Saraiva.