Empregados preocupados exigem transparência na reestruturação

9


Devido ao clima de insegurança existente nas filiais e agências, mediante a possibilidade de uma nova reestruturação, a Contraf-CUT, federações e sindicatos cobraram da Caixa Econômica Federal respeito aos empregados e transparência na condução do projeto de atualização do modelo de gestão que o banco vem implantando na Matriz, mas pretende também fazer mudanças nas filiais e agências.


A cobrança foi feita durante a mesa de negociações permanentes, que foi retomada no dia 18/12, em Brasília.


Apreensão – A falta de comunicação adequada da Caixa sobre esse processo tem gerado grande apreensão entre os empregados, que não sabem qual será o impacto de uma possível reestruturação em seus setores. As notícias que vêm sendo espalhadas pelas unidades dão conta de que haverá extinções de diversas áreas, o que vem gerando incertezas quanto ao futuro.


Os representantes da Caixa confirmaram que algumas áreas serão extintas, enquanto outras apenas reduzidas. Eles disseram também que, na medida em que esse processo for definido, as unidades serão informadas. A implantação dessas mudanças, segundo a empresa, segue cronograma determinado com base em estudos feitos por consultoria. O objetivo, nesse caso, é mudar a estrutura organizacional da Caixa, visando tornar o fluxo do trabalho mais ágil.


Para o diretor do SEEB/CE, Marcos Saraiva “as decisões tomadas nas altas esferas precisam ser amplamente debatidas com as representações dos trabalhadores nos Estados, uma vez que causam prejuizo direto às pessoas responsáveis pelo desenvolvimento da Caixa”.


Em resposta a um questionamento da Contraf-CUT, a Caixa afirmou que, no decorrer das mudanças, os empregados da Gilie irão para a Gihab com suas respectivas funções ou processos. A reivindicação é para que essa situação ocorra da forma menos traumática possível.


Foi questionada a real necessidade dessas mudanças arbitrárias e unilaterais. Para a representação nacional dos empregados, a Caixa precisa esclarecer aos seus trabalhadores os motivos que a levaram a tomar essa decisão, buscando convencê-los de que essa é a melhor alternativa.


Outros pontos debatidos foram:

Saúde Caixa –  A Contraf-CUT cobrou uma política mais clara sobre o Saúde Caixa. Foi lembrado que as reuniões do Conselho de Usuários têm se limitado à apresentação do que foi implantado, sem que haja qualquer discussão prévia sobre os impactos financeiros dessas eventuais melhorias sobre o plano de saúde. A representação dos empregados defende maior transparência sobre os números do Saúde Caixa.


As alterações unilaterais nos normativos têm prejudicado os empregados, sobretudo aqueles que se aposentam com menos de 10 anos de Caixa e não levam o Saúde Caixa. Essas medidas são adotadas em desacordo com o aditivo à Convenção Coletiva, o que é inaceitável.


A Contraf-CUT conclamou a empresa a reforçar espaços com o do Conselho de Usuários, visto que isto não vem ocorrendo nos últimos anos. Se assim for feito, o Conselho de Usuários terá condições de cumprir o seu papel de acompanhar a qualidade do programa Saúde Caixa, passando a oferecer à empresa subsídios ao aperfeiçoamento da gestão e dos benefícios, de acordo com as normas e a legislação em vigor.


Aposentados – A Caixa informou aos dirigentes sindicais que foi concluído o levantamento sobre os empregados que participaram dos últimos Programas de Demissão Voluntária (PADVs) e se aposentaram. Será realizada neste mês de janeiro reunião com as entidades representativas – Fenacef e Contraf, para apresentação do estudo.


Técnico de segurança do trabalho – A Contraf-CUT reivindicou um plano de melhorias das condições profissionais dos técnicos de segurança do trabalho. Há queixas sobre a baixa remuneração do segmento e foi perguntado sobre o propósito da Caixa em relação à função: se vai extingui-la ou reduzi-la?  A Caixa negou que pretende terceirizar a função, mas adiantou que pensa em fazer alterações no modelo de atribuições do segmento, com o objetivo de reduzir tarefas.


Cipas/Sipats – Foi cobrada maior transparência no processo de eleição das Comissões Internas de Prevenção de Acidente (Cipas). Muitas vezes, a Caixa não divulga o calendário, desconhecido por boa parte das entidades sindicais, chegando até ao absurdo de indicar candidatos para o preenchimento das vagas. A alegação da empresa é de que o sistema de eleição das Cipas está todo automatizado, com centralização por parte da Matriz.


Tesoureiros – A Contraf-CUT cobrou uma solução para o problema dos tesoureiros que trabalham solitários nas agências, com grande quantidade de atribuições. Em relação à jornada, a Caixa informou que não haverá qualquer alteração. A empresa não confirmou os boatos de que pretende mudar a lotação dos tesoureiros para as agências, limitando-se a dizer que alguma coisa será feita.


Sisag – Desde que foi implantado, o Sistema de Automação de Produtos e Serviços de Agências (Sisag) apresenta problemas. Os caixas são os maiores prejudicados, dado que todo o trabalho deles depende do sistema. A Contraf-CUT mostrou preocupação com o fato de o Sipon estar servindo para fazer gestão com horas extras, o que é uma ilegalidade e não tem base no acordo coletivo. Os representantes dos empregados deixaram claro que o Sistema de Ponto Eletrônico não pode ser utilizado como ferramenta para a criação de banco de horas. A Caixa considera difícil monitorar esse processo em sua totalidade.


Ranqueamento de empregados – A Contraf-CUT denunciou a ocorrência de ranqueamento de empregados. Há casos de gestores que divulgam lista de empregados produtivos e não-produtivos. Isto, inclusive, vem ocorrendo em Santa Catarina, em total descumprimento à Convenção Coletiva de Trabalho, que proíbe esse tipo de procedimento. Foi reivindicada uma solução para essa irregularidade.