Empresa fecha setor de crédito e realiza demissões em massa em Fortaleza

6


Na tarde da última quinta-feira, 1º/10, os funcionários do setor de Crédito da BV Financeira foram surpreendidos de forma inusitada pela informação do encerramento do ambiente em Fortaleza, com o desligamento imediato de 61 trabalhadores de um total de 70. Os trabalhos serão concentrados agora em São Paulo e Curitiba.


Como forma de minimizar, o departamento de Recursos Humanos da empresa informou medidas como a prorrogação por dois meses além do previsto na Convenção Coletiva do plano de saúde; depósito de dois meses de vale alimentação e vale refeição, além de inclusão dos funcionários desligados num guia de recolocação no mercado de trabalho, através da parceria com uma consultoria de RH.


“O que questionamos nesse processo de reestruturação da BV foi a total falta de transparência e de diálogo com o movimento sindical. A BV chegou à Fortaleza com decisões tomadas e sem qualquer preocupação de diálogo com a representação dos trabalhadores”, afirmou o presidente do Sindicato e da Fetrafi/NE, Carlos Eduardo Bezerra. O dirigente cobrou a abertura de uma mesa de negociação para tratar da reestruturação em Fortaleza, mas a proposta não foi aceita pela empresa. Entretanto, a Contraf-CUT, em âmbito nacional, está solicitando uma negociação urgente com a direção nacional da empresa.


Já o diretor do Sindicato, Gabriel Motta, enfatizou que o Sindicato não vai se calar diante dessa postura inesperada da BV e vai procurar todas as saídas, inclusive jurídicas, para minimizar o impacto dessas demissões na vida dos trabalhadores. Ele destacou, principalmente, que as demissões não devem parar por aí, pois na unidade encerrada existiam trabalhadores de licença saúde que, quando voltarem, serão certamente demitidos também. “Essa atitude foi uma total irresponsabilidade social e nós não vamos deixar barato”, finalizou.


“O que a BV fez foi demissão em massa sem qualquer conversa prévia, pegando de surpresa tanto nós funcionários quanto o Sindicato. As medidas que a empresa tomou podem até minimizar, mas como fica a situação de quem perdeu o emprego após quase cinco anos de dedicação?”

Antonio Marcos, diretor do Sindicato e funcionário da BV Financeira


“Não entendo os critérios utilizados para o encerramento dos trabalhos em Fortaleza, já que o setor era um dos que apresentavam os melhores resultados do País e a própria empresa vem apresentando lucros sucessivos no seu balanço”
Leandro Medeiros, diretor do Sindicato e funcionário da BV Financeira