Encontro dos funcionários do Bradesco define reivindicações específicas

11


O Encontro Nacional dos Funcionários do Bradesco foi encerrado no dia 4/4, em São Paulo, com uma plenária final que aprovou as principais reivindicações que nortearão as negociações específicas com o banco em 2013.


Os trabalhadores se reuniram desde o dia 2/4 em grupos e discutiram temas pertinentes aos empregados do banco, através dos eixos principais: PCCS/Remuneração, Programa de Reabilitação Profissional, saúde e condições de trabalho, parcelamento do adiantamento de férias e auxílio educação. Os dirigentes sindicais também aprofundaram as formas de luta, organização e mobilização.


Os empregados do Bradesco aprovaram temas essenciais à categoria no âmbito do emprego, remuneração, saúde, condições de trabalho, entre outras importantes questões que passam por novos temas que serão levados a mesa de negociação.


“Realizamos uma pauta mais intensa porque muitos problemas se acumularam devido à falta de solução do banco”, afirma Elaine Cutis, diretora da Contraf-CUT e coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco.


A dirigente sindical ressaltou que a realização do Encontro Nacional, a partir da organização das federações em todo o País, permitiu que fosse realizada uma melhor identificação dos problemas específicos em âmbito nacional.


“Fizemos amplos debates que envolveram inúmeros dirigentes sindicais, o que proporcionou que os problemas pautados pelos empregados fossem mais aprofundados. Com isso, esperamos que a empresa dialogue com mais seriedade e traga resultados que atendam as reivindicações apontadas pela categoria”, destacou Rita Ferreira, diretora do Sindicato dos Bancários do Ceará.


“A realização do Encontro Nacional, em um novo formato a partir dos encontros estaduais, também reforçou que a Comissão de Empresa é cada vez mais repensada para aproximar os sindicatos, federações e a confederação para aprimorar a organização e a unidade nacional”, concluiu o secretário de Organização do Ramo Financeiro da Contraf-CUT, Miguel Pereira.