Encontro Estadual define pauta dos bancários cearenses

30

    

Durante o último sábado, dia 18/6, cerca de 300 bancários do Ceará se reuniram no Encontro Estadual que definiu a pauta de reivindicações que será levada a Conferência Regional, em julho.


O Encontro iniciou com o debate de conjuntura nacional explanado pelo supervisor técnico do Dieese/CE, Reginaldo Aguiar. Ele ressaltou que o cenário de crescimento econômico com distribuição de renda num ambiente democrático é muito positivo. Quanto à realidade do bancário, Reginaldo destacou a alta rotatividade dentro das agências que força uma queda na remuneração da categoria.


William Mendes, representante da Contraf-CUT, enfatizou que os bancários são a única categoria no Brasil que possui uma Convenção Coletiva de Trabalho. Ele fez um breve resgate histórico da luta dos bancários no País e destacou como ponto positivo da última campanha salarial o combate ao assédio moral. “Infelizmente, o Banco do Brasil é o único banco que ainda não assinou o protocolo de combate a essa prática e esse é um debate que com certeza será feito na campanha de 2011”, disse. William informou que o Comando Nacional é composto pela Contraf-CUT, dez federações e 24 sindicatos. “Nosso objetivo é construir uma pauta que englobe os principais anseios dos bancários e momentos como este são fundamentais para isso”.


O representante da Comissão de Empresa do Banco do Brasil, Carlos Sousa, membro da Federação dos Bancários do Rio de Janeiro e Espírito Santo, falou da realidade dentro das agências do BB. Segundo ele, o banco se comporta hoje como um banco privado e delega seu papel social de fomento a segundo plano. Ele relatou casos de adoecimentos por conta da pressão por metas e assédio moral, que devem ser combatidos urgentemente.


O presidente da Apcef/CE, Áureo Júnior, afirmou que a realidade dentro da Caixa Econômica Federal não é diferente. A bancarização da população, que deveria ser um fato positivo, trouxe um acúmulo de serviço absurdo dentro das unidades do banco. “O serviço aumentou, mas o banco não contratou gente suficiente para suprir essa demanda, gerando muita pressão e assédio moral”, denunciou.


O coordenador da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB, Tomaz de Aquino, destacou várias pautas importantes do funcionalismo que se arrastaram por toda a gestão Smith sem uma resolução definitiva, tais como: revisão do PCR, passivos trabalhistas, revisão do Plano BD da Capef etc.


Ao final, os bancários cearenses elegeram a delegação cearense que irá participar da Conferência Regional, do 27º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa (Conecef), do 22º Congresso Nacional dos Funcionários do BB e 17º Congresso Nacional dos Funcionários do BNB, que acontecem todos nos dias 9 e 10/7. Do BB e Caixa em São Paulo e do BNB em Itamaracá (PE).


“A participação dos bancários neste Encontro foi de fundamental importância, pois refletiu os anseios dos bancários do nosso Estado. Agora, partiremos para os fóruns regionais e nacionais buscando a construção de uma pauta forte para a Campanha Nacional deste ano”, finalizou o presidente do Sindicato dos Bancários, Carlos Eduardo Bezerra.

CEARENSES APONTAM DESAFIOS PARA OS BANCOS PÚBLICOS

BANCO DO BRASIL: Combate ao Assédio Moral; Fim da pressão por metas; Melhor remuneração para que o bancário não seja refém das comissões; PLR melhor, mas com manutenção das condições dignas de trabalho; Debate sobre o papel dos correspondentes bancários e suas condições de trabalho.

CAIXA ECONÔMICA: Combate à terceirização; Combate ao assédio moral; Luta pela isonomia; Revisão dos processos de promoção; Processo Seletivo Interno com transparência; Valorização do papel de banco público com valorização do empregado.

BANCO DO NORDESTE: Revisão do Plano de Cargos e Remuneração (PCR); Resolução dos passivos trabalhistas; Revisão da contribuição do banco para a Camed; Revisão do Plano BD da Capef; Combate à terceirização; Convocação dos concursados.