Estudo comprova que cliente quer atendimento em agência bancária

8


Os brasileiros querem ser atendidos em agências bancárias. Essa é uma das conclusões de estudo publicado pela Bankable Frontier Associates (BFA), instituto americano especializado em inclusão financeira.


O levantamento, divulgado em novembro passado, mostra que os usuários vão aos correspondentes bancários – em padarias, farmácias, lotéricas e supermercados – principalmente para pagar contas. Outros serviços, que rendem mais aos bancos, são realizados somente em agências.


Foram entrevistados 2,8 mil brasileiros em todo País e a conclusão é de que 68% pagam regularmente pelo menos uma conta em correspondentes bancários. No entanto, apenas 9% depositam regularmente e 12% sacam dinheiro por intermédio desse canal. São 4% os entrevistados que abriram sua conta via correspondente e só 6% tomaram crédito por um correspondente.


“Os correspondentes são selecionados porque são mais convenientes, não porque eles são mais confiáveis ou seguros. E quando é dada a escolha, as pessoas relatam que preferem fazer transações em agências bancárias ao invés deles”, informa um trecho do estudo.


Lugar errado – Outra conclusão do levantamento da BFA aponta como os correspondentes estão distantes do aclamado objetivo de bancarizar o País. Os mais pobres e os moradores de pequenas cidades do Nordeste estão entre os mais propensos a usar os correspondestes para realizar saques ou fazer depósitos. As chances de uma pessoa de uma pequena cidade no Nordeste utilizar correspondentes para depósitos são 33% maiores do que para o resto do País. No entanto, justamente nessas localidades é registrada a menor presença dos correspondentes. No Norte estão 4% deles, no Centro- Oeste 9%. Nordeste e Sul contam com 20% cada. Já o Sudeste, região que concentra o maior número de agências bancárias, estão 47% dos correspondentes.


Para dar uma ideia, enquanto no Sudeste existem 2,6 agências por cada 10 mil pessoas economicamente ativas, no Norte e no Nordeste esse número cai pela metade (1,3). Desde 2003, o número de correspondentes no Brasil aumentou 1.011%, enquanto o número de agências cresceu apenas 35%.


“Os bancos estão perdendo uma grande oportunidade de abrir mais agências, contratar mais bancários e colocar em prática a verdadeira inclusão bancária. O Brasil está crescendo, há mais dinheiro em circulação e as pessoas querem canais confiáveis e seguros para realizar operações mais complexas, negociar crédito, fazer investimentos, que não somente o pagamento de contas”, avalia o presidente do Sindicato dos Bancários, Carlos Eduardo Bezerra.