Ex-becistas estão sofrendo perseguições por todo o Ceará

7


O Sindicato vem recebendo denúncias de que vários funcionários do Bradesco, ex-becistas, estão sofrendo perseguição pela direção do Banco. Chegaram aos diretores da entidade vários casos de transferências imotivadas e até mesmo de discriminação contra ex-becistas por parte de alguns gerentes e colegas de banco. Para piorar, vem pendendo sobre a cabeça dos ex-becistas o peso da demissão.


Somente do final de 2015 até o mês de fevereiro já foram demitidos cerca de 10 bancários, sem motivo aparente. Todos ex-becistas reintegrados via judicial. As demissões começaram a acontecer depois de uma decisão do Pleno do Tribunal Superior do Trabalho (TST), em agosto do ano passado, afirmando que o Bradesco não tem obrigação de motivar a dispensa de uma ex-empregada do banco.


O entendimento prevalecente foi de que a exigência da motivação, instituída por decreto estadual anterior à privatização do BEC, não pode ser aplicada ao contrato de trabalho com banco privado sucessor. A decisão foi sobre um caso individual, mas o Bradesco parece estar estendendo o caso para todos os ex-becistas, deixando os bancários reintegrados muito assustados.


As demissões vêm ocorrendo por todo o Estado e são geralmente de pessoas que cumprem suas metas e que executam suas tarefas de acordo com o que são demandadas. Diante disso, o Sindicato orienta que o bancário que for demitido nessas condições ou que esteja sofrendo qualquer tipo de perseguição no Bradesco, procure imediatamente a entidade para analisar seu caso. Informações: 85 3252 4266.


“Somos trabalhadores e cumpridores do nosso dever junto à instituição Bradesco. Não podemos admitir este tipo de tratamento nem do banco, nem dos colegas. Acho que cabe ao Sindicato dos Bancários exigir do Bradesco o respeito, bem como o cumprimento dos direitos para com os seus funcionários”
Josélia Soares, ex-becista e diretora da Fetrafi/NE