Falta de R$ 2 bilhões no lucro do Santander-Real reduz PLR

24

Provocou ainda mais indignação e protestos dos trabalhadores do Santander-Real o pagamento da PLR calculado pela regra básica (45% do salário + R$ 483,00) e que não incluiu parcela adicional, porque, de acordo com o banco, “não houve crescimento do lucro”.


Porém, há contradições no discurso do Santander-Real. No dia 31 de outubro do ano passado, Emílio Botín, presidente mundial do banco, afirmou, quando veio ao Brasil, que o lucro do Santander no País em 2008 seria de R$ 4,8 bilhões. No entanto, o lucro apresentado no balanço foi de R$ 2,75 bilhões. Portanto, faltam R$ 2,05 bilhões.


Os lançamentos do balanço também mostram um bom desempenho no crédito, nos serviços, nos produtos, pessoa jurídica e física, além de não haver qualquer prejuízo ou resultado ruim. Essa diferença nas contas anunciadas garantiria aos bancários o pagamento do adicional à PLR conquistado na última campanha nacional.


Para o diretor do SEEB/CE e funcionário do Santander-Real, Eugênio Silva, “os funcionários das duas instituições construíram o lucro para o banco. Portanto, não é justo que agora recebam uma PLR reduzida por conta da falta de R$ 2 bilhões. O banco tem que reparar esse dano”.


Os sindicalistas vão denunciar o Santander-Real a todos os órgãos de fiscalização. Eles querem explicações sobre a política de bonificação para os altos executivos e vão desenvolver uma campanha pública para cobrar uma PLR justa para os brasileiros.