Fenaban anuncia mais câmeras para monitoramento contra ?saidinha de banco?

27

A pressão dos bancários para combater o crime da “saidinha bancária” começa a surtir efeito sobre os bancos. Na terceira rodada da Mesa Temática de Segurança Bancária em 2011 com a Contraf-CUT, federações e sindicatos, ocorrida na quinta-feira, dia 2/6, em São Paulo, a Fenaban anunciou a ampliação das câmeras de vídeo para reforçar o monitoramento das agências.


Segundo Ademir Wiederkehr, secretário de imprensa da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária, “a medida atende uma das reivindicações dos bancários, porém outras iniciativas são necessárias para impedir a visualização dos saques por olheiros e evitar que clientes continuem sendo vítimas”. A Fenaban disse que as demais demandas dos bancários ainda não são consensuais entre os bancos e permanecem em estudo.

PROPOSTAS DOS BANCÁRIOS – Os bancários defendem a instalação de biombos ou tapumes entre a fila de espera e a bateria de caixas, bem como de divisórias entre os caixas, inclusive os eletrônicos, visando impedir o acesso visual e garantir o sigilo e a privacidade das operações. A categoria também reitera a importância da colocação de portas giratórias antes do autoatendimento, com armários para guardar objetos e volumes.


A proposta de isenção das tarifas de transferência de recursos (DOC, TED, ordens de pagamento etc), como forma de desestimular os saques que muitos clientes efetuam para não pagarem tarifas, foi reforçada pelos bancários, a fim de reduzir a circulação de dinheiro na praça e evitar que clientes sejam alvos de assaltantes. “Propomos aos bancos para que não esperem chegar ao consenso, mas já implantem as medidas defendidas pelos bancários, pois o número de mortes e ocorrências é assustador”, frisou Ademir.

MORTES – Segundo levantamento da Contraf-CUT, com base em notícias da imprensa, houve 15 mortes em assaltos envolvendo bancos nos primeiros cinco meses de 2011, uma média de três por mês, dos quais 7 são casos de “saidinha de banco”.

PROIBIR USO DO CELULAR NÃO RESOLVE – Os bancos também anunciaram a decisão de proibir o uso do celular nas agências, através da afixação de cartazes e orientações aos clientes. Os bancários frisaram que essa iniciativa não integra a pauta de reivindicações da categoria e que não resolve. Além disso, a fiscalização é impraticável.

ACESSO ÀS ESTATÍSTICAS SEMESTRAIS DA FENABAN – Em resposta à reivindicação dos bancários de acesso às estatísticas semestrais de assaltos, consumados ou não, conforme prevê a Convenção Coletiva, a Fenaban propôs abrir os números até o final dos meses de janeiro e julho, a partir de 2012. Quanto ao primeiro semestre deste ano, por se tratar da primeira vez, ficou definido que o levantamento nacional dos bancos será apresentado para as entidades sindicais no próximo mês de agosto.


Os bancários reivindicaram também o acesso ao número dos casos de arrombamento, que atualmente é o principal ataque feito contra os bancos, sobretudo com uso de explosivos. A Fenaban, porém, não aceitou.

NOVA RODADA – Ao final, as entidades sindicais reivindicaram o agendamento de uma nova reunião da Mesa Temática de Segurança Bancária, para o início de julho. “Queremos realizar mais uma rodada antes das negociações da campanha nacional deste ano, a fim de discutir também propostas para melhorar a assistência às vítimas de assaltos e sequestros e as medidas indenizatórias e preventivas, a exemplo do ano passado, buscando novos avanços para inclusão na convenção coletiva e trazer mais segurança e proteção à vida das pessoas”, justificou Ademir. A Fenaban ficou de responder à solicitação em até 10 dias.