Fenaban enrola e mais uma vez não traz dados sobre promoção de igualdade

8

A Contraf-CUT, federações e sindicatos cobraram no dia 3/7, da Fenaban, durante a reunião da mesa temática de Igualdade de Oportunidades, avanços no plano de ação propagandeado pelos bancos por ocasião da divulgação do resultado do Mapa da Diversidade, em 2009, feito com o objetivo de corrigir as distorções de gênero, raça e pessoa com deficiência nas instituições financeiras.


Foram três pontos discutidos: o monitoramento do Portal de Igualdade, realizado pela Febraban, o acompanhamento da quantidade de casais homoafetivos, conforme estabelece a cláusula 47ª da Convenção Coletiva de Trabalho que trata da extensão da isonomia de tratamento, e a avaliação do curso de formação de líderes promovido pela Febraban, como parte de um programa que visa a sensibilização dos gestores sobre o tema da diversidade.

Portal de Igualdade – As entidades sindicais reivindicaram a divulgação de informações sobre o Portal de Igualdade, criado para receber currículos e divulgado pela Febraban como instrumento de inclusão.

Casais homoafetivos – Os dirigentes sindicais também solicitaram informações sobre o direito conquistado na Convenção Coletiva de Trabalho para evitar a discriminação por orientação sexual nos bancos. Os bancários também questionaram o formulário divulgado pelos bancos que não possui nenhum item sobre orientação sexual. No entanto, apesar da informação enviada com antecedência de que esse ponto seria discutido no encontro, o item ficou em aberto e será tratado na próxima reunião. A Fenaban alegou que não teve tempo suficiente para analisar a questão.

Curso de formação de líderes – O movimento sindical avalia que, para combater as discriminações, é necessário desconstruir conceitos e preconceitos históricos na sociedade. A categoria bancária é exemplo de diálogo social devido ao amadurecimento adquirido depois de mais de uma década de intenso debate com os bancos. Desta forma, o curso de formação de líderes da Febraban pode cumprir um papel importante nesta desconstrução. Aliás, o curso de formação de líderes tem sido usado pelos bancos como uma ação afirmativa voltada para gerar sensibilidade nos gestores sobre o tema. Ficou decidido durante o encontro que esse curso será novamente discutido em próximas reuniões para que o tema seja aprofundado.


A Fenaban propôs a realização de uma nova reunião da mesa temática para o final deste mês, em data ainda a ser definida, para que os debates sejam retomados e os dados com os quais se comprometeram sejam apresentados.