Fenacrefi decepciona na segunda rodada de negociações

46

A Contraf-CUT e a Fenacrefi reuniram-se no dia 11/9, em São Paulo, para a segunda rodada de negociações da Campanha Salarial dos Financiários, mas não houve novidades no encontro. Das cláusulas prioritárias que os financiários destacaram para a federação patronal na 1ª rodada, nenhuma delas teve resposta concreta. Nova negociação ficou marcada para o dia 27/9.


“Essa rodada de negociação foi muito aquém do esperado. Apontamos para a Fenacrefi há 20 dias quais são os itens que queremos respostas imediatas, mas não avançamos nesse segundo encontro. Com os lucros astronômicos que esse setor ligado aos bancos está tendo, esperamos que na próxima rodada haja mais sensibilidade por parte dos patrões”, afirma Sérgio Siqueira, diretor da Contraf-CUT.


Dentre as prioridades destacadas pelos financiários está o fim do assédio moral. A Fenacrefi justificou que ainda está analisando a possibilidade de criar meios para coibir e prevenir esta prática nas empresas. Outra cláusula que também está sendo estudada é a isenção de tarifas para os funcionários das financeiras.


“Também não obtivemos respostas para a questão do convênio odontológico. Já houve tempo suficiente para analisar nossas reivindicações, já que a minuta foi entregue há quase dois meses. Mas tudo ainda continua em suspenso; queremos mais agilidade por parte da Fenacrefi nas negociações”, destaca Siqueira.

Na próxima rodada, os financiários esperam debater o índice de reajuste, dentre outras questões prioritárias.