Frustração em negociação sobre emprego e remuneração

12

A Contraf-CUT, federações e sindicatos retomaram o processo de negociação permanente com o HSBC,na segunda-feira, dia 4/6, na sede da Confederação, em São Paulo. Na pauta estiveram temas como emprego, previdência complementar e o não desconto dos programas próprios de remuneração (PPR/PSV) na PLR.


“O movimento sindical apresentou propostas, mas o banco não avançou nas negociações. Mais uma vez, as entidades sindicais têm suas reivindicações frustradas, o que irá aumentar o clima de insatisfação dos bancários”, alerta Alan Patrício, secretário de Assuntos Jurídicos da Contraf-CUT e funcionário do banco.

Emprego – Na pauta do emprego, o banco respondeu negativamente em relação à reposição e contratação de novos funcionários, principalmente na área de atendimento. Além disso, o banco apresentou ao movimento sindical o projeto piloto da máquina assistente de caixa, que está sendo implementado em Curitiba e São Paulo.


“Na visão do banco, as máquinas irão facilitar o trabalho dos caixas, porém essa tecnologia não repõe a força de trabalho e nem justifica a falta de funcionários. Os sindicatos, inclusive nós do Ceará, vão monitorar o processo para que as máquinas não diminuam os postos de trabalho”, afirma o diretor do Sindicato dos Bancários, Humberto Silva.

Remuneração – O banco informou também que manterá a política de desconto do PPR B e D na PLR dos bancários. O desconto conti-nuará afetando diretamente a área de serviços e retaguarda e os bancários querem o não desconto para todos.


Previdência complementar – Os representantes do HSBC afirmaram que estão aguardando uma série de informações solicitadas internamente para dar sequência ao debate. O banco disse que o novo benefício apresentado unilateralmente para os que têm renda superior a R$ 3.500,00 não é uma forma de segregação dos demais funcionários. Para as entidades sindicais, essa é uma forma de segregação sim, pois o banco implementa de forma unilateral um plano que não atende a categoria.


A boa notícia foi que o HSBC se comprometeu em reativar o grupo de trabalho para discussão da saúde do trabalhador.